Diversos

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 12 (2965 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 17 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
FACULDADE DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

AS RELAÇÕES ENTRE COGNIÇÃO E AFETIVIDADE EM LA: A INFLUÊNCIA DE VYGOTSKY NESSA ABORDAGEM TEMÁTICA Elisabeth Ramos da Silva (UNITAU) lis.ramos@uol.com.br

INTRODUÇÃO A questão da afetividade tem sido contemporaneamente tema de pesquisas em Lingüística Aplicada (LA). Trata-se de um assunto complexo que entrou em voga nas discussões de LA há algumas décadas.O interesse pelos aspectos afetivos não foi uma herança da Lingüística, uma vez que muitos estudos lingüísticos assentaram-se predominantemente na concepção cognitivista, inscrita na tradição cartesiana, que pressupõe a dicotomia entre afetividade e cognição, considerando a linguagem como produto da atividade racional do indivíduo. Nessa perspectiva, razão e afeto diferenciam-se, havendoexplicitamente a primazia daquela em detrimento deste. (Rodriguez, 1994) Tal como afirma a autora, cremos que o interesse pelos aspectos afetivos ocorreu porque as pesquisas em LA contemplaram o ensino e aprendizagem de línguas. Tal temática incluía uma dimensão didática que não poderia ser ignorada. Tratava-se de um processo que ocorria entre pessoas, e isso demandava abrigar outras questões, pois ossujeitos de pesquisa, alunos ou professores, não se resumiam a aspectos racionais ou cognitivos; pelo contrário, havia interesses, motivações, frustrações, desejos, entre outras manifestações afetivas, que sempre tornavam nítido o papel da afetividade na aprendizagem de línguas. Assim, ainda que a Lingüística tivesse ignorado tais questões, o mesmo não podia ocorrer com a LA, já que se impunhamevidências tangíveis que obrigavam os pesquisadores a rever o papel da afetividade. A LA, portanto, precisou conferir um tratamento interdisciplinar a suas análises, mantendo sempre o foco de interesse na linguagem, mas igualmente atentando para outras questões relevantes à interpretação dos dados obtidos em pesquisas. Nessa direção, enquadra-se a temática das relações entre afetividade e cognição.SOLETRAS, Ano VIII, N° 15. São Gonçalo: UERJ, jan./jun.2008

133

DEPARTAMENTO DE LETRAS

ANTIGOS PRESSUPOSTOS Conceber a emoção como um aspecto da constituição humana que se diferencia e que muitas vezes se opõe à racionalidade tem sido um pressuposto freqüente na história da Filosofia. De acordo com Arantes (2004), muitos pensadores adotaram a idéia da dissociação entre razão e emoção aorefletirem sobre a natureza humana. Platão, por exemplo, acreditava que a virtude consistia na libertação das paixões a fim de priorizar o pensamento, uma vez que “Agir moralmente é agir racionalmente, e agir racionalmente é filosofar, e filosofar é suprimir os sentidos, morrer aos sentidos, ao corpo, ao mundo, para o espírito, o inteligível, a idéia. (Padovani e Castagnola, 1990, p. 119) Aindasegundo os autores supracitados, Descartes, ao criar a célebre asserção: "Penso, logo existo", também atribui ao pensamento o valor de excelência, isto é, o conhecimento intelectual ganha a primazia, havendo, em contrapartida, a desvalorização total do conhecimento sensível. “O mundo dos sentimentos, das emoções, das paixões é desvalorizado por Descartes em campo prático, como a sensação o fora emcampo teorético.” (Padovani e Castagnola, 1990, p. 291). Para o pensador, tais estados de alma eram vistos como irracionais, portanto era preciso combatê-los e aniquilá-los. Do mesmo modo, Kant considerava as paixões como enfermidades da alma, o que evidencia haver na obra deste filósofo uma hierarquia entre razão e emoção (Arantes, 2004). Assim, a idéia de que as emoções são instâncias menos dignasda natureza humana, podendo inclusive embotar o pensamento, é um pressuposto filosófico ainda em voga, sobretudo quando se trata do senso comum. Vimos que Rodriguez (1994) alude às concepções cognitivistas ao tratar da afetividade como tema em LA. A autora chama a atenção para duas questões presentes no cognitivismo: “a separação entre afetividade e cognição, por um lado, e, por outro, a...
tracking img