Diversos

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 25 (6121 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 16 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
[pic]

CENTRO EDUCACIONAL CRISTO SALVADOR









Juliana Ester Martins Moura











ANÁLISE DA OBRA “VIDAS SECAS” DE GRACILIANO RAMOS























Santarém – Pará

2013



[pic]

CENTRO EDUCACIONAL CRISTO SALVADOR









Juliana Ester Martins Moura











ANÁLISE DA OBRA “VIDAS SECAS” DE GRACILIANO GUIMARÃES







Trabalho de pesquisapara nota parcial do primeiro trimestre da disciplina de Literatura, sob a orientação do professor Martinez A. Silva.







Santarém – Pará

2013

Introdução

O Modernismo tem seu início com a realização da Semana da Arte Moderna no Teatro Municipal de São Paulo, nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro de 1922. A Semana pretendia colocar a cultura brasileira a par das correntes devanguarda do pensamento europeu, ao mesmo tempo em que pregava a tomada de consciência da realidade brasileira.

O Modernismo foi dividido em duas fases, a primeira fase, que se estendeu de 1922 a 1930, caracterizada pela tentativa de definir e marcar posições. Este é, portanto, um período rico em manifestos e revistas de vida efêmera: grupos em busca de definição. Nesta década, colapsoscomeçaram a se caracterizar no Brasil com a quebra da Bolsa de Valores de Nova Iorque, em 1929; os últimos anos da chamada República velha, com o domínio político das grandes oligarquias ligadas aos proprietários rurais; e não por mera coincidência, a partir de 1922, com a revolta militar do Forte de Copacabana, o Brasil passa por um momento realmente revolucionário, que culminaria com a Revoluçãode 1930 e se estendeu até 1945, o movimento modernista vive uma segunda fase, refletindo as transformações que passa o país, que entra em uma nova etapa de sua vida republicana, levando os artistas nacionais a se posicionarem diante dessa nova realidade.

A Segunda fase modernista no Brasil foi subdividida em duas: a segunda fase- Poesia, o qual contou com a produção literária deautores como Murilo Mendes, Jorge de Lima, Carlos Drummond de Andrade, Cecília Meireles, Vinícius de Morais, entre outros, e a Segunda fase- Prosa, o qual contou com a produção literária de alguns autores como: Rachel de Queiroz, José Lins do Rego, Jorge Amado, Érico Veríssimo e Graciliano Ramos, autor da obra “Vidas Secas” que será adiante analisada. Período extremamente rico para a produção poéticae para a prosa, refletindo um conturbado momento histórico: no plano internacional, vive-se a depressão econômica, o avanço do nazi-facismo e a Segunda Guerra Mundial; no plano interno, dá-se a ascensão de Getúlio Vargas e a consolidação de seu poder com a Ditadura do Estado Novo. Dessa forma o universo temático amplia-se e o artista apresenta-se preocupado com o destino dos homens e o“estar-no-mundo”.

Getúlio Vargas, auxiliado pelos auxiliado pelos integralistas, inicia sua ditadura em 10 de novembro de 1937. O chamado Estado Novo será um longo período antidemocrático, anticomunista, baseado em um nacionalismo conservador e na idolatria de um único chefe, Getúlio Vargas. Essa situação se prolongaria até 29 de outubro de 1945, quando, pressionado, Getúlio renuncia. Escritoem 1938, a obra “Vidas Secas é uma crítica a situação que o país está vivendo, principalmente com o sistema opressor de Getúlio Vargas.

Vidas Secas retrata em treze capítulos a vida de uma família retirante que sofre com a seca castigante do nordeste, e as consequências que esses aspectos refletem em cada personagem diante de suas características psicológicas e físicas, moldadasdiante de um meio e uma dura realidade. Graciliano Ramos soube de forma clara e objetiva tornar desta, uma das principais obras da literatura modernista.

Graciliano Ramos

Autor do livro “Vidas Secas”, Graciliano Ramos nasceu em 27 de outubro de 1892, na cidade de Quebrângulo, em Alagoas. Realizou seus estudos secundários em Maceió, tendo uma rápida passagem pelo Rio de Janeiro,...
tracking img