Ditadura militar a era das trevas

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 16 (3756 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 16 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
13 Dezembro 2008 - 40 anos de vergonha Militar

15 de março de 1967 à 31 de agosto de 1969 - Presidente Costa e Silva

General Emílio Garrastazu Médici, gaúcho descendente de italianos e bascos, líder do
Estado-Maior de Costa e Silva em 1950, quando o ex-presidente era comandante da 3ª
Região Militar. Comandante da Academia Militar das agulhas Negras AMAN ,apoiador do

1

movimento de1964 . Após a queda de João Goulart, foi nomeado adido militar do Brasil em
Washington. Líder do SNI, na Presidência de Costa e Silva. Seus braços fortes: Antônio
Delfim Netto, Ministro da Fazenda; Cel. Mério Andreazza-Transportes; Prof.João Leitão de
Abreu, Articulação interna do governo. Ministro da Justiça, Alfredo Buzaid - Proteção ao
governo, “limpeza da área”.
Médici criou parâmetrospara escolher candidatos dos governos estaduais. Foi ele quem
escolheu Antônio Carlos Magalhães, aqui na Bahia, e o senador Filinto Muller para o
Congresso Nacional.
Pouco a pouco a LIBERDADE foi sendo assassinada literalmente. Políticos que criticavam
perdiam seus mandatos eram presos ou exilados, quando não mortos. A sociedade foi
arrochada em seus salários, as artes proibidas ou vigiadas.
OFestival da Canção foi grande oportunidade para cantores como: músicas de Chico
Buarque, Geraldo Vandré, e Tom Jobim. Suas músicas criticavam o Sistema opressivo e
assassino da Ditadura. Na Impresa, em cada redação de jornal, havia um Censor, no lugar
de mensagens censuradas a DITADURA mandava escrever receitas de bolo ou figuras de
demônios.
Definição de Médici para a Democracia no Brasil:uma simples técnica processual “para a
promoção da felicidade coletiva”.
Artur da Costa e Silva
Era filho de comerciantes portugueses (ESCRAVAGISTA?) da Ilha da Madeira, iniciou sua
carreira militar ingressando no Colégio Militar de Porto Alegre, onde concluiu como primeiro
da turma ou aluno-comandante.
Foi Comandante da Divisão Blindada. Adido militar Argentino
No governo do PresidenteJoão Goulart, reprimiu as manifestações estudantis no nordeste e
foi afastado do comando do IV Exército. Tramou um Golpe de Estado que derrubou João
Goulart. Ministro de Guerra do Presidente Castelo Branco. Defensor da “linha dura” militar =
“bandido bom é bandido morto”; e qualquer um que fosse contra o governo era considerado
um.
Morreu de trombose cerebral.
Junta militar: ministros Márcio deSousa e Melo (Aeronáutica), Aurélio de Lira Tavares
(Exército) e Augusto Rademaker (Marinha), substituiu o marechal Costa e Silva.
MARIGHELLA - LÍDER REVOLUCIONÁRIO

2

Conheceu a prisão pela primeira vez em 1932, após escrever um poema contendo críticas
ao interventor Juracy Magalhães. Libertado, prosseguiria na militância política,
interrompendo os estudos universitários no 3o ano, em1932, quando se deslocou para o Rio
de Janeiro.
Fundador e dirigente nacional da Ação Libertadora Nacional (ALN).
Depoimento de Clara Charf e editores de "Escritos de Carlos Marighela", Editorial
Livramento, 1979:
"O comandante Carlos Marighella dedicou toda sua vida à causa da libertação dos povos.
Com quarenta anos de militância, iniciada no Partido Comunista Brasileiro (PCB), foiassassinado pela ditadura militar em 1969, aos 57 anos. Filho de negra e imigrante italiano,
Augusto Marighella e Marialva Nascimento Marighella, nasceu em Salvador, Bahia, a 5 de
dezembro de 1911. Ainda adolescente despertou para as lutas sociais. Aos 18 anos iniciou
curso de Engenharia na Escola Politécnica da Bahia e começou a militar no PCB. Conheceu
a prisão em 1932. Poeta, pagou com a liberdadepoema crítico dedicado ao interventor
Juracy Magalhães. A militância levou-o a interromper os estudos universitários no terceiro
ano.
As Torturas
Em 1935 mudou-se para o Rio. Já fazia parte da Comissão Especial do Comitê Central e
era o responsável por todo o trabalho de imprensa e divulgação do Partido. A 1° de Maio de
1936 era novamente preso. Durante 23 dias enfrentou as torturas da...
tracking img