Direitos autorais no design

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 4 (858 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 4 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Direitos autorais no Design gráfico

Barthes escreveu “A morte do autor” em 1968. Segundo Barthes (2004 apud Weymar, 2010, p.95) “o nascimento do leitor deve pagar-se com a morte do autor”. O autornão tem relevância para Barthes, mas sim o presente momento. Quem escreveu o livro, onde mora não é relevante. Segundo Barthes, a linguagem não é feita para produzir um único sentido, mas é um espaçocheio de multiplicidade. Por isso não é importante a intenção do autor ao criar a obra, mas sim as diferentes interpretações do leitor a respeito dessa.
Para Foucault, a morte do autor não aconteceude fato. Ele contradiz a teoria de Barthes articulando que a obra está intrínseca as características do autor. Para ele há duas noções que afirmam o seu raciocínio. Estas são:
A noção da obra: ateoria da obra não existe e são milhares as questões que a envolvem. “De tal forma que não basta afirmar: deixemos o escritor, deixemos o autor, e estudemos a obra em si mesma. A palavra “obra” e aunidade que ela designa são provavelmente tão problemáticas como a individualidade do autor (FOUCALT, 1992, p.39 apud WEYMAR, 2010. p. 99)

A noção da escrita: o estatuto atual não considera nem o gestode escrever e nem qualquer marca de algo que alguém possa ter querido dizer, isto é, apenas se pensa a condição, o espaço e o tempo de um texto. “Pergunto-me se, reduzida por vezes ao uso corrente,esta noção não transpõe para um anonimato transcendental os caracteres empíricos do autor” (FOUCAULT, 1992, p.40 apud WEYMAR, 2010, p. 99)

Para Foucault, o nome do autor é imprescindível, poissegundo Weymar (2010, p.99) “O nome do autor não é apenas um elemento deste discurso, ele exerce um papel, classifica; seu nome pode reagrupar em torno de si outros textos, faz com que outros discursos serelacionem ou se oponham.”

(...) indica que esse discurso não é um discurso quotidiano, indiferente, um discurso flutuante e passageiro, imediatamente consumível, mas que se trata de um discurso...
tracking img