Direito

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1330 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 29 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
INTRODUÇÃO
Esta ATPS(Atividade Prática Supervisionada) como objetivo fazer uma análise sobre os princípios constitucionais inerentes ao processo penal, verificando como estes limitam o poder punitivo do Estado, dentro da Constituição Federal como norma de controle e de validade para o ordenamento jurídico.
De inicio será a importância desses princípios no ordenamento jurídico brasileiro, postoque a Constituição Federal deve ser o ponto de partida para as demandas civis, penais e processuais, sendo analisados apenas alguns dos princípios do processo penal. Apresentando posteriormente, o conflito do jus puniendi imposto pelo Estado contra o jus liberta do indivíduo, fazendo sempre uma interpretação axiomática à luz da Carta Magna, e da orientação dada por ela ao processo penal.Levantamento de obras existentes na Biblioteca do Anhanguera de Jacareí- São Paulo.

Titulo da Obra: Manual de Processo Penal e execução Penal
Autor: Guilherme de Souza Nucci
Editora: Revista dos Tribunais – 7° Edição
Ano de Publicação: 2010

Titulo da Obra : Pratica de Processo Penal
Autor : Fernando da Costa Tourinho Filho
Editora: Saraiva – 32º edição
Ano de Publicação:2010

Titulo da Obra: Processo Penal
Autor: Julio Fabbrini Mirabete
Editora: Atlas – 18º edição
Ano de Publicação: 2006

Titulo da Obra: Manual de Processo Penal
Autor: André Nicolitt
Editora: Elsevier
Ano de Publicação: 2009

Titulo da Obra: Curso de Processo Penal
Autor: CAPEZ, Fernando
Editora: 2ª Ed. São Paulo, Saraiva
Ano de Publicação: 2011

Titulo daObra: Curso de Processo Penal
Autor: BONFIM, Edilson Mougenot
Editora: 8ª Ed. Saraiva, São Paulo
Ano de Publicação:2010


Princípios que regem o Processo Penal e a Interpretação e Aplicação da lei processual penal no tempo e no espaço.

1. Princípios
Existem alguns importantes princípios inerentes ao processo penal, os quais limitam o poder punitivo do Estado, para que arbitrariedadesnão sejam cometidas quando o que se tem em jogo é a culpabilidade de um indivíduo.
a) Verdade Real – O Processo Penal deve buscar, através das provas, a verdade material. O juiz deixa de ser um mero expectador dos fatos e provas apresentados, para tornar-se quase como um investigador, dotado de poderes específicos, o qual deve alcançar a verdade pura processual.
b) Legalidade – Este éum dos mais importantes pilares de um Estado Democrático de Direito, onde o Estado só deve atuar processualmente quando cumprir com as condições exigidas para isso. Ou seja, só deve agir em virtude de lei. É um importante princípio visto que protege os indivíduos de possíveis poderes arbitrários cometidos pelo Estado. Assim, os órgãos incumbidos da persecução penal não possuem poderesdiscricionários para apreciar a conveniência ou a oportunidade de instauração do processo ou do inquérito, e sim poderes vinculados.
c) Oficialidade – Os órgãos incumbidos da persecução penal devem ser oficiais. Este princípio se refere a quem compete o impulso processual . Este é um dever do próprio Estado, mesmo que em alguns casos particulares se dê uma margem aos particulares praticarem esse atoda iniciativa. A função penal é pública, portanto a pretensão punitiva é do Estado e deve ser realizada por agentes públicos capacitada para isso.
d) Indisponibilidade – Tal princípio diz respeito ao fato de que a ação penal, e nem mesmo o inquérito policial, depois de instaurados, podem parar. Desse modo, também se conclui que a autoridade policial não pode se recusar a proceder àsinvestigações, nem arquivar o inquérito policial. Faltando a justa causa, a autoridade policial pode até deixar de instaurar o inquérito, mas, uma vez realizado, não se pode mais desistir. Da mesma forma que o Ministério Público também não pode desistir da ação penal. Esta proibição é expressa no art. 42 do Código de Processo Penal. Exceções: transação em infrações penais de diminuta potencialidade...
tracking img