Didática do ensino superior

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 11 (2642 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 30 de abril de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
FACUDADES INTEGRAS SIMONSEN

DIDÁTICA DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR

ELIETE MACEDO GOMES
DEUSELI DOS SANTOS

Rio de janeiro
2010/1
ELIETE MACEDO GOMES
DEUSELI DOS SANTOS

DIDÁTICA DO ENSINO SUPERIOR

Trabalho de conclusão apresentado à Professora Dra. Glória Regina Graçano com requisito para aprovação do curso de Didática doEnsino Superior da turma de Pós – graduação Das Faculdades Simonsen.

Rio de janeiro
2010/1
RESUMO

“O mais importante e bonito do mundo é isto: que as pessoas não estão sempre iguais, mas que elas vão sempre mudando...” Guimarães Rosa

O trabalho docente é uma atividade consciente e sistemática, cujo o centro está a aprendizagem e o estudo dos alunos sob adireção do professor. A complexidade deste trabalho foi evidenciada ao longo de pesquisas e leituras dentro e fora da sala de aula. A disciplina de Didática do Ensino Superior tem como o objetivo focalizar o papel docente em todos os aspectos do processo didático.
Se acreditamos que a educação escolar tem um papel na democratização nas esferas econômica, social, política e cultural, elaserá mais democrática quanto mais for universalizada a todos, assegurando tanto o acesso e a permanência nas séries iniciais quanto o domínio de conhecimentos básicos e socialmente relevantes e o desenvolvimento das capacidades intelectuais por parte dos alunos.
O mundo contemporâneo muda velozmente e uma das tarefas da escola é preparar os estudantes para as mudanças. Por isso, a realidadeeducacional sofre constantemente alterações e tal dinâmica exige adaptações de ordem curricular e metodologia. Estas constatações nortearam o trabalho desta disciplina.

Palavras chave: docente – identidade - inovação

QUEM É O DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR?

De acordo com Paulo Freire, 1991 pensar exemplo, que não é a partir dele como um dado, que se conforma a prática docente crítica,mas sabe também que sem ele não se funda aquela. A prática docente crítica, implicante do pensar certo, envolve o movimento dinâmico, dialético, entre o fazer e o pensar sobre o fazer. O saber que a prática docente espontânea ou quase espontânea “desarmada”, indiscutivelmente produz é saber ingênuo, um saber de experiência feito a que falta a rigorosidade metódica que caracteriza a curiosidadeepistemológica do sujeito. “Sem a curiosidade que me move, que me inquieta que me inseri na busca, não aprendo nem ensino (Freire, 2009, p 47)
Por isso, é fundamental que, na prática da formação docente, o aprendiz de educador assuma que o indispensável pensar certo não é presente dos deuses nem se acha nos guias de professores que iluminados intelectuais escrevem desde o centro do poder, mas,pelo contrario, o pensar certo que supera o ingênuo tem que ser produzido pelo próprio aprendiz em comunhão pelo professor formador. É preciso,por outro lado, reinsistir em que a matriz do pensar ingênuo como a do crítico é a curiosidade mesma, característica do fenômeno vital.
“Como educador deve estar constantemente advertido com relação a este respeito que implica igualmente o que devoter por mim mesmo” (Freire, 2009, p. 59).
O aprendizado do ensinante ao ensinar não se dá necessariamente através da retificação que o aprendiz lhe faça de erros cometidos. O aprendizado do ensinante ao ensinar se verifica à medida em que o ensinante, humilde, aberto, se ache permanentemente disponível a repensar o pensado, rever-se em suas posições em que procura envolver-se com acuriosidade dos alunos dos diferentes caminhos e veredas, que ela os faz percorrer. Alguns desses caminhos e algumas dessas veredas, que a curiosidade às vezes quase virgem dos alunos percorre, estão grávidas de sugestões, de perguntas que não foram percebidas antes pelo ensinante. Mas agora, ao ensinar, não como burocrata da mente, mas reconstruindo os caminhos de sua curiosidade – razão por que se...
tracking img