Dialogo sobre violencia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1800 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 9 de maio de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Diálogo sobre a violência



Arquivado em: Psicologia

Escrito por Eduardo Simonini
Qua, 16 de Novembro de 2005 18:22
Entrevista a Eduardo Simonini - Jornal Tribuna Livre-1998.

1 - Como a Psicologia vê a violência humana?

A violência, de uma forma ou de outra, nos remete a uma sensação de defesa. Usamos da violência quando buscamos tanto nos defender de perigos externose imediatos, quanto nos defender de nossos próprios medos e inseguranças interiores. Tornamo-nos violentos quando nos sentimos ameaçados seja física ou moralmente. Por um estranho paradoxo, quanto maior nossa incerteza, nossa fragilidade, nossa insegurança e nosso medo..., maiores são as possibilidades de atitudes violentas (tanto na busca de mostrarmos potência, força, quanto na busca deproteção)

2 - Ela difere em função do tempo e lugar ou é uma manifestação independente do estado de selvageria ou evolução?

O ser humano, a fim de viver em sociedade, necessita de regras que ordenem o convívio social. Tais regras nos são oferecidas pelo grupo que nos envolve desde o instante em que nascemos. A evolução social do ser humano se deu principalmente graças à capacidade de produzirlinguagem simbólica. É a partir da linguagem que as regras são transmitidas pelas gerações. Como cada grupo possui suas regras, a consideração do que vem a ser violência muda de grupo para grupo. Atitudes violentas podem ser correlacionadas a lutas por sobrevivência (seja em sociedades de alta tecnologia, seja em tribos indígenas), mas é o contexto social quem dirá se as atitudes em questão caberão ounão dentro dos moldes aceitáveis por aquela cultura e de seu momento histórico. Por exemplo: no nosso contexto cultural, em um momento de guerra é permitido matar um inimigo do País, mas não é permitido matar um inimigo pessoal durante uma briga de bar. No primeiro caso temos "patriotismo", no segundo "violência", "assassinato".

3 - A violência está dentro do homem e sofre interferênciasexternas?

Ninguém nasce violento, mas muitas vezes torna-se necessário realizar atitudes consideradas violentas para sobreviver. O bebê machuca o bico do seio da mãe com mordidas durante a amamentação; muitas vezes é importante que irmãos briguem entre si a fim de aprenderem a se defender e lutarem por seus espaços. A violência é algo que se produz sempre na relação com o outro. Mas é toliceficar-se dizendo que "essa" ou "aquela" pessoa é ruim por natureza. Um indivíduo pode vir a se tornar cruel, mas tal crueldade é fruto de um aprendizado, fruto de como ele entende a si mesmo e o mundo que o cerca. A violência não está nem dentro do homem, nem fora dele..., está sim na relação do ser humano com a maneira como ele vivencia o mundo que habita.

4 - Como pode ser relacionada a violênciado século 20 com a registrada nos tempos de Jesus Cristo, por exemplo?

Considerando aqui "violência" como sendo o ato de prejudicar conscientemente outra pessoa, não vejo muita diferença. Vamos dizer que no século XX a violência toma envoltórios mais tecnológicos. Se o nascimento de Jesus foi acompanhado por uma ordem de assassinar todos os primogênitos a golpes de espada, hoje, no TimorLeste, nas guerras civis africanas, no Afeganistão, nas guerras das favelas brasileiras... as crianças são assassinadas por metralhadoras, gases, mísseis. Tivemos um grande desenvolvimento técnico nos últimos 2000 anos (principalmente nos últimos 300 anos) mas, moralmente, continuamos os mesmos: em nossos pequenos universos de preconceitos, de discriminações, de invejas, de guerrilhas...

5 - Osgrandes centros são mais violentos realmente ou a diferença está na densidade populacional?

Quanto menos contato com o outro eu possuo, mais o outro se torna indiferente para mim. Em grandes centros você muitas vezes não conhece quem é seu vizinho de apartamento. Ocorre um fenômeno interessante nas grandes cidades que se refere ao fato de quanto maior a densidade populacional, mais sozinhas...
tracking img