Determinantes do valor da força-de-trabalho: uma contribuição para o caso brasileiro referente ao período de 1985-2000

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 77 (19171 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 24 de junho de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Revista Faz Ciência, 0 8,0 1 (20 0 6) pp. 14 9 -18 2 UNIOESTE ISSN 16 77-0 4 3 9

D ETERMIN AN TES D A FORMAÇÃO D O VALOR D A FORÇA-D E-TRABALH O: U MA CON TRIBU IÇÃO PARA O CASO BRASILEIRO REFEREN TE AO PERÍOD O D E 19 8 5 -2 0 0 0 .
Ro s e lain e N avarro B. d a Silva 1 An a Lau ra Pre s te s d e Olive ira 2 Ie d a Mara Cavilh ão 3
Resum o O p r esen t e tr a ba lho se p r eocu p ou com a an á lise d e a lg u n s d os elem en tos cita dos p ela s Escola s Econ ôm ica s, a saber - Clá ssica , M arxista, N eoclássica e Key n esian a, en quan to resp on sáv eis p ela d eter m in a çã o/ v ar iação do sa lá r io (v alor d a for ça -de-tr aba lho). Para tan to, caracterizou-se in icialm en te o m om en to histórico de im p lem en t a çã o d o sa lá r io m ín im o, d est a ca n d o-se osa sp ect os econ ôm icos-sociais v igen tes n o referido m om en to, seguin do com brev e exposição do poder aquisitiv o do salário m ín im o no período d e 19 70 a o a n o d e 2 0 0 0 . Pos t er ior m en t e a n a lis ou -s e o com portam ento dos fatores influenciadores do v alor do salário no período de 198 5 a 20 0 0 , os quais foram , definidos a partir de um es t u d o d a s E s cola s Econ ôm ica s a n t er ior m en t e cit a d a s . Pa r a r esp on d er a o p r oblem a p r op ost o a n a lisou -se a s oscila ções d os seguintes indicadores: PIB brasileiro, oferta e dem anda de m ão-deobr a , p r eço d os ben s d e su bsistên cia , in v estim en tos (p r iv a d os e públicos), além de se considerar a questão da atuação sindical. No que se refere aos resultados, o que se observoufoi a confirm ação da im portância de tais elem entos enquanto atuantes na determ inação do preço da força-de-trabalho do trabalho. Palavras-Chave: Classe Trabalhadora, Preço do Trabalho, Escolas Econ ôm ica s

1 P r ofa . Ciê n cia s Econ ôm ica s - UN I OESTE – Ca m p u s d e F r a n cis co Be lt r ã o. E- m a il: r oselain en b s@gm a il.com . 2 Acadêm ica do Curso de Ciências Econôm icas eparticipante do Program a de Iniciação Científica Volun tária da UNIOESTE – Cam pus de Fran cisco Beltr ão. 3 Econom ista (Graduada em 20 0 5) pela UNIOESTE – Cam pus de Francisco Beltrão

Deter m in an tes da form ação do valor da for ça-de-trabalh o: um a con tr ibuição...

In tro d u ç ã o A ordem econôm ica fundam enta-se nas relações de troca entre os d ive r s os in d ivíd u os q u e a tr a vé s d e la s s a t is fa ze m s u a s n ecessid a d es. Dest a for m a , ver ifica -se q u e é n or m a lm en t e p ela rem un eração percebida por cada com pon en te da sociedade que se t or n a p ossível efet iva r t a is n egocia ções. É n est e con t ext o qu e a rem un eração surge en quan to fator essen cial para a valorização do t r a b a lh o h u m a n o, p er m it in d o a o seu concessor (d o t r a b a lh o) a satisfação de suas necessidades. O salário m ínim o é a rem uneração básica do trabalhador, sendo assim , o seu valor deve ser capaz de proporcion ar as n ecessidades m ín im as para sua sobrevivên cia. No en tan to, o que se verifica, n o caso do Brasil, é que os trabalhadores que o têm com o única fonte de ren da, sobrevivem em con dições de extrem a dificuldade,ain da que afirm e a teoria econôm ica que: “O preço natural do trabalho é aquele necessário para perm itir que os trabalhadores, em geral subsistam e p e r p e t u e m s u a d e s ce n d ê n cia , s e m a u m e n t o ou d im in u içã o” (RICARDO, 1996, p. 67). Com base no m encionado, há que se ressaltar que o aum ento d e s e u va lor , le va n d o-o a a lca n ça r ín d ice s s u ficie n t e s s er ia providência urgente a ser tom ada pelo poder público. Por outro lado, a cada novo reajuste o que se tem notado é a extrem a dificuldade em atingir tal objetivo. Historicam ente o salário tem deixado de cum prir o propósito pelo qual foi criado e tem dem onstrado no seu poder-decom pr a. Neste sen t id o, qu estion a-se qu e fator es in flu en ciar am e in fluen ciam tais perdas, ou m elhor...
tracking img