Desigualdade social e violencia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas: 10 (2418 palavras)
  • Download(s): 0
  • Publicado: 11 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Desigualdade Social e violência no Brasil atual: subsídios para a Sociologia no Ensino Médio[1]


Maria José de Rezende








Resumo: Refletir sobre as condições de desigualdade e de violência no Brasil atual é condição básica para compreensão dos elementos formadores da vidasocial. Ao demonstrar que tanto aquelas primeiras quando a segunda são produzidas socialmente coloca-se em debate que elas são frutos de um dado tipo de organização que as potencializa continuamente através de medidas econômicas que não distribuem rendas, do clientelismo político e dos exíguos gastos sociais das diversas esferas (federal, estadual e municipal).




1- Elementos definidoresdas condições de desigualdades sociais

O BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) divulgou, no final de 1998, um estudo em que o Brasil aparece como o país mais desigual do continente llatino-americano. Observem-se os seguintes dados na tabela abaixo:

|Países |Fatia dos 10% mais ricos na|Fatia dos 10% mais pobres na|Tempo de escolaridade entre |Entre os 10% maispobres, |
| |renda nacional. Em % |renda nacinal. Em % |os 10% mais pobres. Em anos |quantos completaram o |
| | | | |primário. Em % |
|BRASIL | 47% | 0,8% | 1,98anos | 19% |
|Paraguai | 46,5% | 0,7% | 3,37 anos | 49% |
|Chile | 45,8% | 1,3% | 6,24 anos | 67% |
|México | 44,4% | 1,1%| 2,14 anos | 52% |
|Panamá | 42,7% | 0,6% | 4,31 anos | 75% |


Fonte: Dados publicados em BRASIL é o mais desigual da AL, diz BID. Folha de S. Paulo, São Paulo, 14 nov.1998. C.1, p.10. (Tabela adaptada)


O elementodefinidor, por excelência, da concentração de renda de um país está no modo de distribuição entre os dois pontos extremos de uma dada sociedade. O Brasil ganhou a 1º colocação em desigualdade pelo fato de que os 10% mais ricos ficam com quase a metade da renda nacional, enquanto os 10% mais pobres, com apenas 0,8%. Outro complicador é o número de anos de estudos desses últimos (menos de 2 anos), bem comoa percentagem daqueles que completaram o curso primário (apenas 19% dos 10% mais pobres).


Os outros países, considerados na tabela acima, possuem um maior número de pessoas com mais anos de estudos e um percentual significativamente mais elevado de pessoas que, dentro da faixa dos 10% mais pobres, completaram o curso primário. Veja-se a diferença entre o Brasil e todos os demaispaíses mencionados.


Os números sobre as condições de desigualdade expressos pela educação são altamente significativos, pois indicam o que o PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) denomina de Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). As possibilidades de ampliação das chances de os indivíduos mais pobres romperem com as suas condições de miserabilidade são, praticamente,nulas no caso do Brasil, se tomarmos o tempo de escolaridade como base.


Em um país em que as oportunidades de obtenção de educação, de assistência médica e de emprego são quase nulas entre os mais pobres, ficam evidenciadas as dificuldades de rompimento com o desrespeito aos direitos sociais (relativos às diversas formas de associação e participação na sociedade, de seguridade social,...
tracking img