Desenvolvimento vegetativo de plantas de erva-doce (foeniculum vulgare miller) no segundo ciclo em três ambientes no sertão paraibano.

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1774 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 14 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Desenvolvimento vegetativo de plantas de erva-doce (Foeniculum vulgare Miller) no segundo ciclo em três ambientes no Sertão paraibano.

Jayr Thomaz Ramalho1; Professor Orientador Paulo Alves Wanderley2; Oscar Mariano Hafle3; Ewerton Gonçalves de Abrantes4; Maria do Carmo Amorim4; Roberta de Oliveira Sousa Fernandes5

1Estudante do Curso de Tecnologia em Agroecologia do Instituto Federal deEducação, Ciência e Tecnologia da Paraíba; E-mail: jayrramalho@hotmail.com; 2Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba. E-mail: wander863@gmail.com; 3Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba; 4Estudantes do Curso de Tecnologia em Agroecologia do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba. 5Aluna do Curso deTecnologia de Alimentos – IFPB-Sousa, voluntaria.

Resumo
No Estado da Paraíba o cultivo da erva-doce é encontrado principalmente no Agreste da Borborema. Na microrregião do Sertão, que tem clima quente e seco com dois períodos climáticos distintos, o chuvoso e o de estiagem, exige pesquisas que esclareçam o ciclo da planta em adaptação a essa microrregião. O objetivo do trabalho foi avaliar odesenvolvimento da erva-doce no segundo ciclo de produção em três ambientes e luminosidade diferentes. As características avaliadas foram altura das plantas e número de perfilhos em três ambientes: O consorciado, o solteiro a pleno sol e o solteiro com a utilização de sombrite 50%. A planta usada para o consórcio foi o maracujazeiro (Passiflora edulis f. flavicarpa). As médias obtidas para a altura enúmero de perfilhos mostram que em todas as classes de idade o ambiente solteiro com uso de sombrite 50% teve as médias mais altas. Conclui-se que nesta fase de adaptação e em relação aos parâmetros analisados o ambiente com sombrite oferece condições favoráveis ao desenvolvimento da planta.


Palavras-chave: Foeniculum vulgare, desenvolvimento vegetativo, ambiente de cultivo


Introdução
Asculturas do milho, feijão, fava, banana, coco, algodão entre outras são bastante adaptadas a microrregião do Sertão paraibano. A implantação da cultura da erva-doce nessa microrregião que tem clima quente e seco com dois períodos o chuvoso e o de estiagem, exige pesquisas que esclareçam sobre o bom desenvolvimento da planta em adaptação ao Sertão.
A erva-doce (F. vulgare) é uma plantaoriginária da Europa, ocorrendo com freqüência em Portugal e Espanha, mas sendo cultivada em diversos países, principalmente, na região do mediterrâneo, Ásia, norte da África e America do Sul (Sousa, et al., 2005, p.2 apud Costa, 1994; Czygan et al., 1994,). No Nordeste, a espécie F. vulgare tem se destacado nos Estados da Bahia, Sergipe, Paraíba e Pernambuco, sempre associada aos sistemas de produçãodesenvolvidos pelos agricultores familiares (LOPES, et al., 2009). Segundo Ramos (2004) os produtores da erva-doce exploram a atividade através do sistema tradicional, empregando basicamente a mão-de-obra familiar.
No Estado da Paraíba mais precisamente no Agreste da Borborema o cultivo da erva-doce, segundo Wanderley et al. (2004) encontram-se nos Municípios de Remígio, Esperança, Areal, Montadas ePocinhos.
Esse trabalho objetivou avaliar o desenvolvimento de plantas de erva doce (F. vulgare) no segundo ciclo em três ambientes com diferente luminosidade no Sertão paraibano.


Material e Métodos
O experimento foi conduzido de setembro de 2009 a setembro de 2010, sendo que o segundo ciclo da planta foi avaliado de maio a setembro de 2010, nos setores de olericultura e fruticultura doInstituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba campus Sousa localizado no perímetro irrigado de São Gonçalo.
O município de Sousa encontra-se na zona fisiográfica do Sertão paraibano, na sub-bacia do rio do Peixe e bacia do rio Piranhas, onde a altitude média é 220 metros, latitude 6º45’33” sul e longitude 38º13’41” oeste, com temperatura média anual de 28ºC, umidade...
tracking img