Descartes: olho imaterial.

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 2 (303 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 10 de janeiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Ao se aperceber que recebera falsas opiniões como verdadeiras durante anos de sua vida, Descartes reconhece que não foi suficientemente capaz de reconhecer a realidade. Partindodesse pressuposto, que fora fundado em princípios duvidosos e incertos, começa a desfazer-se então de todas as opiniões que até agora dera crédito e a duvidar até mesmo de sua existência.Descartes questiona-se sobre seus sentidos, chegando até questionar-se também se era tão dependente de um corpo e sentidos a ponto de não poder existir sem eles. Concluiu que seussentidos foram por diversas vezes falhos, que é o que ocorre nos sonhos. Quando se sonha, acredita-se que tudo que se está vivendo é real, mas tudo aquilo foi uma ilusão enquanto seestava desperto de qualquer razão.
O olho biológico é o que representa a visão, que é um dos nossos sentidos, e estes já foram acima descritos como falhos. Já o “olho” imaterialrepresenta o nosso entendimento sobre algo que foi “superficialmente” percebido pelo olho biológico. O “olho” imaterial faz uma inspeção ao espírito, captando toda a essência econfirmando o que foi visto pelo olho biológico. Para melhor entendimento foi usado o exemplo da cera, que possui cor, forma, cheiro próprios, mas que são modificados quando é colocada emtemperatura muito elevada. Apesar de todas as modificações sofridas, ainda podemos percebê-la como cera, uma vez que o “olho” imaterial consegue captar a essência e não só aquilo queestamos vendo. O nosso perceber não pode ser então baseado no olho biológico (embora seja necessário que este também atue enxergando a “matéria” e transmitindo para o “olho” imaterial) umavez que este já nos provou não ser totalmente confiável, e sim no que entendemos por pensamento, que seria o motivo do nosso existir, e pelo entendimento proveniente do espírito.
tracking img