Defeitos do negocio juridico

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 12 (2922 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 14 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
DIREITO CIVIL

Defeitos ou Vício do Negócio Jurídico


Os defeitos ou vícios do negócio jurídico interferem no plano de validade, podendo atingir a vontade do agente ou gerar uma repercussão social.

Os vícios da vontade ou do consentimento são: a) erro; b) dolo; c) coação; d) estado de perigo; e) lesão.

Os defeitos do negócio jurídico que tem repercussão social são denominados víciossociais, sendo eles: a) fraude contra credores; b) simulação.


Erro


Ao menos no plano teórico, podemos diferenciar erro de ignorância. O erro é uma falsa representação positiva da realidade, ou seja, é o engano fático representado por uma falsa noção em relação a uma pessoa, ao objeto do negócio ou a um direito. Por outro lado, a ignorância traduz total desconhecimento sobre esseselementos. Porém, no Código Civil, erro e ignorância são tratados como sinônimos.

O erro, definido com precisão por Caio Mário, em sintética e cirúrgicas palavras, como a opinião errada acerca de uma situação fática, é vício invalidante do negócio jurídico, nos termos do art. 138 e seguintes do CC.

Segundo a doutrina clássica, o erro somente invalidaria o negócio jurídico se concorressem doiselementos: a) essencial (substancial); b) perdoável (escusável), aquele que não pode ser percebido por pessoa de diligencia normal, em face das circunstâncias em que o negócio foi celebrado. Adotam essa corrente clássica Maria Helena Diniz, Sílvio Rodrigues, Leoni Lopes de Oliveira, Carlos Roberto Gonçalves, Álvaro Villaça Azedo e Francisco Amaral. A doutrina moderna, todavia, com razão (Enunciado 12 daI Jornada de Direito Civil), afirma que, à luz do princípio da confiança, é dispensável a demonstração da escusabilidade do erro para efeito de se invalidar o negócio. Nesse último sentido, Pablo Stolze, Flávio Tartuce, José Fernando Simão, Silvio Venosa, Inácio Carvalho Neto, Gustavo Tepedino, Maria Celina Bondin de Moraes e Heloísa Helena Barboza.

Em síntese, a doutrina moderna entende que,se a lei protege quem cometeu um erro justificável, com maior razão deverá proteger o que cometeu o erro inescusável, diante da proteção do portador da boa-fé.

O erro pode ser:

a) essencial ou substancial: Noção inexata sobre um dos elementos do negócio, que influencia decisivamente na formação da vontade do declarante, que a emitiria de maneira diversa da que a manifestaria se dele tivesseconhecimento;

b) acidental: É o erro que recai sobre um dos elementos secundários e não essenciais do negócio jurídico, de modo que não interferirá na formação do negócio jurídico.

Somente o erro essencial ou substancial gera a anulabilidade do negócio.

O erro substancial, portanto, apto a anular o negócio jurídico, pode recair sobre:

a) a natureza do negócio, o objeto principal dadeclaração, ou a alguma das qualidades a ele essenciais (Ex. compra de bijuteria pensando tratar-se de jóia);

b) a identidade ou qualidade essencial da pessoa a quem se refira a declaração de vontade, desde que tenha influído nesta de modo relevante (Ex. Caso Ronaldo Fenômeno aplicável no casamento);

c) o direito e não implicando recusa à aplicação da lei, for o motivo único ou principal donegócio jurídico (Ex. contrato internacional de compra e venda de mercadoria cuja importação está proibida no país do comprador).

O erro de direito, admitido expressamente pelo art. 139, III, do CC, sem traduzir intencional recusa de aplicação da lei, pode ocorrer na medida em que o declarante interpreta equivocadamente o alcance permissivo da norma jurídica.

Nos termos do art. 144 do CC, o erronão prejudica a validade do negócio jurídico quando a pessoa, a quem a manifestação de vontade se dirige, se oferecer para executá-la na conformidade da vontade real do manifestante. (Ex. Na compra de um apartamento, o comprador incide em erro sobre a localidade do imóvel, acreditando estar adquirindo o apartamento em posição nascente no Bloco A quando, em verdade, comprou apartamento em...
tracking img