De eternidade a eternidade

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 94 (23264 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 29 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
De

eternidade

a

eternidade!























Paulo Edson Dias - pauloedias@ig.com.br


INDICE
Pagina

I – INTRODUÇÃO: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 02

II – APRESENTAÇÃO: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03

III – A BASE: . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . 04

IV – A ALMA HUMANA: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06

V – O ESPÍRITO DO HOMEM: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 09

VI – ENCARNAÇÃO: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10

VII – INTERAÇÃO NO `MUNDO ESPIRITUAL`: . . . . . . . . . . . 11

VIII – BLOQUEIOMENTAL: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12

IX – ‘SAIR DO CORPO’: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

X – SOMBRAS E REALIDADE: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18

XI – O CHAMADO: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20

XII – MORTE DE JESUS: . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . 24

XIII – TENTAÇÃO: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27

XIV – CORPO – ELO COM O DIVINO: . . . . . . . . . . . . . . . . 28

XV - PROPOSTA DIVINA: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31

XVI – O MAL: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36

XVII – A LEI: . . . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40

XVIII – A OBRA DA CRUZ: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41

XIX – MINISTÉRIO DE VIDA: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44

XX – DESPERTAR PARA A VIDA: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46

XXI – CHAVES PARA DESVENDAMENTO: . . . . . . . . . . . . . . . . 47

XXII – VIDA ETERNA:. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55

XXIII – IMORTALIDADE DO CORPO: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57


I - INTRODUÇÃO:

Como falar de eternidade, algo tão complexo e até mesmo obscuro, pelo menos por enquanto, de uma maneira direta e o mais claro possível? Eis a grande questão!

Por ser algo “novo”, um caminho ainda pouco trilhado, não hácomo dar diretrizes exatas, até mesmo porque ainda não as temos!

Vamos procurar, através de um diálogo, percorrer por este caminho, levantando dúvidas e, dentro do possível, tentando esclarecê-las.

Dois personagens farão parte deste diálogo, o guia e o discípulo. Ambos têm a mesma meta e, embora o guia tenha já uma experiência de vida e uma melhor visão de onde chegar, eles igualmentedesconhecem a totalidade do caminho.

São, como muitos os consideram, dois alienados. Vivem na “contra-mão do sistema”.
Como “loucos” são ignorados e, tido como fanáticos, são bombardeados!

Mas, certos do que querem, estão convictos de que podem alcançar o que almejam.

Compartilhemos, pois, das experiências desta fascinante caminhada.II - APRESENTAÇÃO:

O GUIA:

É um estudioso da Palavra. Já caminhou por várias trilhas, já teve vários “guias”.
Por que “guias” (entre aspas)? É que, na verdade, o objetivo destes era apresentar o caminho, falar do caminho, das promessas do caminho, mas, infelizmente, não de como andar por este caminho e, muito menos, em guiar os discípulos por este caminho, do qual tanto falavam.
Ele não!Por isso, tantas mudanças, tantas andanças!
Muitos o criticavam dizendo que era volúvel, inconstante, instável, que mudava muito por não saber o que queria. Mas não, pelo contrário, mudava muito justamente por saber que o que queria não estava ali.

Como estudioso não se preocupava tanto com a história. O que lhe chamava a atenção era as entrelinhas. Como disse Schopenhauer:
“A tarefa não...
tracking img