Da cultura ao inconsciente cultural:

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 25 (6001 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 26 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Da cultura ao inconsciente cultural:
psicologia e diversidade étnica no Brasil contemporâneo[1]Fernando Cesar de Araujo Resumo: Dentre os muitos desafios lançados à psicologia no mundo contemporâneo, espera-se que este campo de conhecimento seja capaz de compreender a nova configuração do imaginário, que uma simples perspectiva subjetivista não consegue alcançar. Neste momento, a discussão dasquestões culturais e étnicas é um tema que emerge com força no Brasil e o reconhecimento da cultura afro-brasileira torna-se um caminho obrigatório para o saber psicológico, sendo necessários, no entanto, novos conceitos teóricos - como o de inconsciente cultural - para tornar efetiva a participação da psicologia nestas discussões. Palavras-chave: Psicologia e Cultura; Inconsciente Cultural;Imaginário afro-brasileiro; Psicologia Analítica Abstract: Many challenges have been thrown to psychology in a contemporary world. About them, we hope the psychology can understand the new imaginary configuration, which an ordinary subjective perspective isn’t able to achieve. In this moment, questions related with culture and ethnic factors have been emerged strongly in Brazil. The recognition ofafro-brazilian’s culture is an obrigatory way to psychological knowledge. For that is necessary new theoretical concepts - like ‘cultural unconscious’ - to became more effective the participation of psychology in these discussions. Key-words: Psychology and Culture, Cultural Unconscious, Afro-brazilian Imaginary, Analitical Psychology.I – Introdução:             Interrogações são feitas a respeito dasobrevivência da psicologia no contexto de mutações deste período a que se convencionou chamar de pós-modernidade. E o essencial é saber se a psicologia conta com recursos que, não só a façam “sobreviver”, mas principalmente contribuir para a compreensão da nova ordem do mundo que nos cerca. Importante para isto é que o olhar psicológico volte-se para as identidades que se re-configuram no novocampo simbólico, onde muitas vezes a tradição interage com a modernidade.            “Globalização” é a palavra que condensa o semantismo das mudanças, e um dos aspectos mais significativos destas mutações é a proliferação de imagens.[2] Há uma compressão espacial e temporal gerada pela extrema velocidade da circulação de informações, trazendo alterações ainda não plenamente compreendidas pelo tecidosocial. O planeta diminui, o tempo se estreita e instala-se um “novo regime de ficção que hoje afeta, contamina e penetra a vida social” (Augé, 1998:10).            Mas a questão central é a indagação acerca do conteúdo das imagens, sua sustentação, densidade simbólica e as condições de circulação entre o imaginário individual e o imaginário coletivo.            Uma nova perspectiva para secompreender a globalização passa pela articulação das noções de “global” e de “local”. É o deslocamento de bens culturais primariamente locais, cruzando fronteiras e movendo-se através das paisagens, o que provoca a percepção da globalidade (Segato, 1997). Devido à diversidade cultural, nosso mundo globalizado é constantemente perpassado por um localismo de tradições - e tradição remete a umaidentidade, a um sentimento de pertença, a uma comunalidade simbólica. Mostra-se assim nítida a necessidade de haver uma compreensão da diversidade étnica que convive num determinado espaço simbólico.Junto com a globalização emerge, portanto, uma questão importante: a identidade e o risco de se perdê-la, pois, num mundo em mutação acelerada, o fenômeno de globalização atua como “um processo de decomposiçãoe recomposição de identidades individuais e coletivas” (Pace, 1997:32)e uma equação passa a ligar indissoluvelmente o fenômeno da globalização e a revalorização das identidades.Walter Boechat indica que a questão da identidade “é um problema extremamente complexo, com vertentes sociológicas, antropológicas, econômicas, e, por último, mas não menos importante, componentes psicológicos”. Assinala...
tracking img