Cultura da dor

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 12 (2857 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 28 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Trabalho de Antropologia
Cultura da Dor: Uma abordagem

Sumário
* Introdução
* Desenvolvimento
* Tipos de Dores
* Dor no Processo de Socialização
* Tolerância à Dor e Cultura
* Significado Cultural da Dor
* Comunicação da Dor e Cultura
* Dor Oncológica e Conceitos Culturais
* Conclusão
* Bibliografia

Introdução
Na dor, manifesta-seclaramente a relação entre o indivíduo e a sociedade. As formas de sentir e de expressar a dor são comandadas por códigos culturais e a própria dor, como fato humano, constitui-se a partir dos significados conferidos pela coletividade, que confirma as formas de manifestações dos sentimentos. Embora singular para quem a sente, a dor se coloca num universo de referências simbólicas, representando um fatocultural.
A dor constitui-se em uma experiência privada e subjetiva, não resultando apenas de características de lesão tecidual, mas que integra também fatores emocionais e culturais individuais. Ela é o elemento crucial para a proteção e a manutenção da vida, pois é sinal de algum dano, tem papel biológico fundamental e pode ser manifestada por dois tipos de reações: involuntária e voluntária.Tipos de Dores
Embora singular para quem a sente, a dor se coloca num universo de referências simbólicas, representando um fato cultural. A dor aguda é um mecanismo de proteção e, portanto, geralmente desaparece após horas ou poucos dias, junto com o que causou. A dor crônica, no entanto, resiste à sua causa por meses ou mesmo anos e é, portanto, uma doença.

Dor no Processo deSocialização
A definição de dor segundo Aristóteles é de que ela é considerada como uma emoção, e segundo Descartes, ela é considerada como uma sensação.
Cultura é definida como “um complexo de conhecimentos, crenças, artes, moral, leis, costumes e quaisquer outras habilidades ou hábitos adquiridos pelo homem enquanto membro de uma sociedade”. As culturas são “sistemas de ideiascompartilhadas, sistemas de conceitos, regras e significados que subjazem e são expressos nas maneiras pelas quais os seres humanos vivem”. Este conjunto de princípios ensina ao indivíduo o modo de “ver” os fatos, como percebê-los, como vivenciá-los emocionalmente, como lhes atribuir significados e como se conduzir diante deles.
A cultura é considerada como uma “lente”, onde através dela sevê o mundo. A aquisição dela é gradual e deve-se principalmente à família, ao sistema educacional, às instituições religiosas, aos modos de produção e às instituições de trabalho.
Grande parte dos valores, crenças e atitudes relativos à saúde é adquirida durante a infância no processo de socialização, que é o período em que os padrões de comportamento característicos de um determinadogrupo são aprendidos. Valores são considerados como objetivos e princípios de uma sociedade, crenças são noções prévias e convicções íntimas compartilhadas culturalmente , e pro fim, as atitudes são disposições organizadas para a ação que se refletem diretamente no comportamento de indivíduos e grupos.
Para o desenvolvimento de valores, crenças , atitudes e comportamentos relativos à dor,é de extrema importância o processo de socialização. A internalização destes elementos culturais inicia-se na infância e é denominada socialização primária. O processo de internalização de aspectos do mundo familiar é realizado como “um dos mundos possíveis”. Disto resulta que os aspectos culturais internalizados na infância são muito mais arraigados do que os que originam na socializaçãosecundária. Essa socialização secundária é a internalização dos “outros mundos possíveis”, isto é, das diversas subculturas institucionais tais como escolas, profissões, trabalhos, etc. Essas subculturas constituem realidades parciais que contrastam com o “único mundo possível” da cultura familiar e da socialização primária, o que implica que certos conteúdos, para serem devidamente internalizados,...
tracking img