Crise dos estados nacionais

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 2 (275 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 6 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Além destes aspectos que debilitaram o movimento trabalhista, de todos os matizes, e por extensão comprometeram os Estados Nacionais, os acontecimentos que marcaram a crise dos anos1970 acabaram por colocar os trabalhadores contra o Estado. Isto porque, no importante período de políticas keynesianas, a mediação do Estado se encarregou de construir uma novarelação entre trabalho e capital. Na verdade, muitas vezes esta relação foi mais que mediada; foi assumida pelo Estado.
A importância disto não está apenas no plano político, mastambém no plano ideológico. O choque de interesses que animava hostilidades de classe entre patrão e empregado, quando a relação entre estes era direta, foi arrefecendo, na medida emque os embates passaram a mover os trabalhadores contra o Estado que lhes fixava o salário de inserção/mínimo, as taxas de correção salarial, os tributos impopulares, as aposentadoriase pensões iníquas, as leis consideradas injustas. Essa situação de animosidade passou a acompanhar os trabalhadores e cresceu, na medida em que o Estado não só lhes frustrava aexpectativa quanto ao salário direto, como também quanto ao salário indireto, expresso na saúde, na educação, no transporte, na habitação públicas, quase todos avaliados como ruins ouinsuficientes, enfim carentes de suplementação.
O Estado passou a ser o Grande Patrão. Os verdadeiros patrões subsumiram na aparente impotência de se opor aos limites das leistrabalhistas, como se estas definissem máximos, e não mínimos, a serem concedidos.
Finalmente, os EUA, ou melhor, sua classe hegemônica, maior beneficiária do contexto, destacou-secomo força determinante, aparentemente incontestada, em plano mundial, exercendo, por isso e para isso, um papel de aglutinador, da sociedade capitalista, sem precedente histórico.
tracking img