Corporeidade e inclusão

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 11 (2745 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 17 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
1. INTRODUÇÃO

As diversas maneiras que o ser humano tem de se relacionar com o próprio corpo, de relacioná-lo com a sociedade, com o mundo e a natureza, ocorrem das mais variadas formas de acordo com a cultura em que este está inserido. Essas maneiras de interação não são permanentes, pois subordinam se a mudanças, frutos do processo histórico da construção humana.
Sendo assim, a corporeidadede cada indivíduo, além de revelar sua singularidade pessoal, também possui características que o define como membro de um grupo social em um determinado tempo.
O corpo atravessado pelas ideologias e necessidades socioculturais se torna multiforme e adquire vários sentidos. Dentro do seu processo histórico de construção, o corpo é constantemente (re)criado. A escola e as aulas de Educação Físicasão agentes que contribuem para esta construção. As diversas maneiras que o ser humano tem de se relacionar com o próprio corpo, de relacioná-lo com a sociedade, com o mundo e a natureza, ocorrem das mais variadas formas de acordo com a cultura em que este está inserido. Essas maneiras de interação não são permanentes, pois subordinam-se a mudanças, frutos do processo histórico da construçãohumana.
Para uma criança, portadora de necessidades educacionais especiais, a escola passa a ser um ambiente onde se passa uma parte considerável do dia. A escola e as aulas de Educação Física como espaços de socialização, se apresentam como lugares fundamentais para a construção da personalidade da criança. Na escola, muitas vezes, a corporeidade é colocada num sistema de interdição e privação.Isso se dá quando esta é desconsiderada das suas condições de Ser, dentro de sua complexidade. Quando ela é privada de cuidado, dignidade e respeito no seu modo de “Ser” humana – na sua totalidade, deixando de lado suas limitações.
No dia-a-dia de nossas escolas, percebe-se um grande número de alunos com dificuldades de lidar com o próprio corpo. Não são raros os alunos que se envergonham com suaauto-imagem corporal, principalmente em se tratando aqui de pessoas com necessidades especiais incluídas em escolas regulares, os quais são vítimas de preconceito, passando muitas vezes pela rejeição dentro do seu próprio grupo.
Este trabalho tem por objetivos: Compreender de que maneira o convívio frente à corporeidade diferente interfere na formação dos hábitos dos alunos na relação consigo mesmoe com o outro; De que forma se dá as relações frente ao convívio das diferentes corporeidades na Educação Inclusiva; compreender o significado das ações e relações no tratamento para com a corporeidade do diferente. Bem como se justifica pela importância do tema em nossos dias, onde busca-se que a escola possa criar situações onde os alunos mais capazes passem a estabelecer uma relação mais amplae amigável com os portadores de necessidades especiais, auxiliando-os, se necessário, em suas práticas do cotidiano escolar. A metodologia utilizada neste estudo foi a de pesquisa bibliográfica.
O conceito de escola inclusiva é ligado à modificação da estrutura, do funcionamento e da resposta educativa, de modo que se tenha lugar para todas as diferenças individuais, inclusive aquelas associadasa alguma deficiência.
O princípio democrático da educação para todos só se evidencia nos sistemas educacionais que se especializam em todos os alunos, não apenas em alguns deles, os alunos com deficiência. A inclusão, como conseqüência de um ensino de qualidade para todos os alunos provoca e exigem da escola brasileira novos posicionamentos e é um motivo a mais para que o ensino se modernize epara que os professores aperfeiçoem as suas práticas. É uma inovação que implica num esforço de atualização e reestruturação das condições atuais da maioria de nossas escolas de nível básico.
Então, o motivo que sustenta a luta pela inclusão como uma nova perspectiva para as pessoas com deficiência é, sem dúvida, a qualidade de ensino nas escolas públicas e privadas, de modo que se tornem aptas...
tracking img