Corpo inóspito

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 39 (9740 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 12 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Pedro Vitor Guimarães Rodrigues Vieira

Corpo Inóspito

Dirigido ao professor Dr. Pedro Hussak, como trabalho de conclusão da disciplina Geração e Comunicação do Conhecimento, do programa de pós-graduação em Ciências da Arte, da Universidade Federal Fluminense.

Niterói, Agosto de 2010.

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

PRÓ-REITORIA DEPESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

INSTITUTO DE ARTE E COMUNICAÇÃO SOCIAL

Programa de Pós-Graduação em Ciência da Arte

Corpo Inóspito

Niterói, Agosto de 2010.

Sumário

Introdução ................................................................................................................... p. 4

Da concepção mimética da arte ao surgimento da noção de sujeito: reflexõesa partir da reconstituição de um aparato histórico sobre o fazer artístico .................................... p. 5

A neutralidade do sujeito e o potencial do discurso ................................................. p. 14

Intérprete-criador: reflexões sobre a idéia de um corpo inóspito e a questão do discurso vistos no cenário de dançacontemporânea................................................................ p. 19

Considerações finais ................................................................................................. p. 25

Referências Bibliográficas ........................................................................................ p. 27

Introdução

Dentre as possibilidades de se compreender os objetos de arte a partir dos fenômenos que podem serobservados nas produções dos mesmos, pode-se destacar, no caminho que compreende do conceito de mimesis à, bem mais tarde, noção de sujeito, questões importantes para serem ponderadas neste trabalho, que visa um ensaio sobre a figura do intérprete-criador como aquele que produz e é em si mesmo objeto de arte, numa relação que compreende três estágios participativos, a saber, o dainstrumentalização, o da criação e o da própria obra. Assim, pretende-se, a partir deste primeiro ensaio, observar o percurso através do qual fora construída a noção de sujeito, atrelando-o à discussão sobre o papel do intérprete-criador como aquele o qual configura as características da própria obra, tanto quanto a é.

Trata-se da observação de um fenômeno que imprime ao corpo do pesquisador de dança qualidadesde objeto de apreciação estética, através dos fatores dados pela construção dos movimentos e dos gestos próprios deste corpo artístico, o que torna o sujeito destas relações um objeto de estudo intrigante e inquieto. O fenômeno ao qual me refiro aqui pode ser compreendido como aquele no qual o artista ocupa todos os espaços do ciclo de criação de uma obra; da pesquisa de movimento à especulação damesma considera-se a figura do intérprete-criador como um sujeito pró-ativo, engajado, sujeito às suas próprias ações e aos reflexos suscetíveis a elas.

Objetos artísticos são parte da reflexão e do envolvimento do artista em seu tempo e por isso acabam por expressar algo sobre suas concepções estéticas em cada momento na própria história da arte. Desta forma, este trabalho se dispõe a refletirsobre este personagem, principalmente, quando se refere às produções de obras de dança contemporânea. Esta reflexão é feita partindo da orientação do conceito de mimesis, reconstituído no aparato histórico da evolução do próprio conceito; do estabelecimento de relações entre suas significações e apreensões para a história da arte, chegando a abordar a reorganização do pensamentoartístico-filosófico na mesma, engendrado pelo surgimento e desenvolvimento da noção de sujeito que vai do século XVII ao século XX.

Da concepção mimética da arte ao surgimento da noção de sujeito: reflexões a partir da reconstituição de um aparato histórico sobre o fazer artístico

O termo grego mimesis, comumente traduzido para o verbo “imitar”, fora recorrido para tratar da noção de imitação da...
tracking img