Convite a filosofia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 2 (407 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 21 de agosto de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto

Hegel
e
rr
ou
quando
supô
s
que
a
razã
o
sej
a
uma
fo

a
histó
rica
au
tôn
om
a
(
is
t
o
é,

o
co
ndi
c
io
na
da
pela
s
itua
çã
o
materi
al
ou
econôm
i
ca,
so
cia
l
e
po
lít
i
ca
de
uma
épo
ca
),
e,
em
se
gundo
lugar,
na
suposi
ç
ão
de
que
a
razã
o
é
a
fo

a
his
tórica
que
c
ri
a
a
própri
a
so
c
iedade,
a
pol
í
tic
a,
a
c
ultura
.

Hegel
a
c
ert
ou
qua
ndo
af
i
rm
a
que
as
mudan
ça
s
h
is
t
órica
s
oc
orr
em
pelos
co
nf
li
tos
e
co
nt
radiçõ
es
.
Hegel
er
ro
u
ao
supor
que
ta
i
s
c
onf
lit
o
s
se

o
ent
r
e
dife
rent
es
f
or
mas
da
razã
o,
pois
ele
s
se

o
c
omo
c
onf
li
t
os
e
co
ntradiçõ
es
so
ci
ais
e
polí
tic
as,
mo
dific
an
do
a
própri
a
razã
o
.
A Escola
de Frankfurt
Os
filósofos
da
T
eori
a
Crítica
consi
deram
que
exist
em,
na
ver
dade
,
duasm
oda
lid
ade
s
da
razão
:
a
razã
o
ins
tr
umental
ou
razão

cnic
o
-
científi
ca
,
que
es

a
se
rviço
da
expl
oraçã
o
e
da
d
ominaç
ão,
da
op
res
são
eda
violê
nc
ia,
e
a
raz
ão
crít
ic
a
ou
filosófica,
que
re
flete
sobre
as
con
tradições
e
os
conflitos
sociais
e
po
líticos
e
se
ap
re
se
nta
como
uma
força
liberadora
.
A Escola
de Frankfurt
Nos
ano
s
60
,
de
senv
olveu
-
se
,
s
obretud
o
na
Fra
nça,
uma
corre
nte
cie
ntífi
ca
(inic
ia
d
o
na
lingüí
stica
e
na
antropologia
socia
l)
chamad
a
e
st
ru
tu
ralis
mo
.
Para
os
estrutu
ralista
s,
o
mais
i
mportante
não
é
a
mu
da
nça
ou
a
transfo
rmaçã
o
de
uma
rea
lida
de
(de
uma
língu
a,
de
u
ma
socie
da
d
e
indíg
ena
,
de
u
ma
teo
ria
cie
n
tífica
)
,
mas
a
estr
ut
ur
a
ou
a
fo
rma
que
ela
tem
no
presente
.
Razão
e
descontinuidade...
tracking img