Controle de perdas

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 30 (7341 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 12 de agosto de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
FUNDAMENTOS DO CONTROLE DE PERDAS

INTRODUÇÃO

Inicialmente, em diversos países, surgiram e evoluíram ações tendentes a prevenir danos às pessoas decorrentes de atividades laborais. Foram elaboradas normas e disposições legais, enfim, toda uma legislação social de “reparação” de danos ( lesões ).

Dessa forma, o Seguro Social ( Previdência Social ) realizava – e ainda realiza –ações assegurando o risco de acidentes, ou melhor dizendo, o risco de lesões.

Por outro lado, estudiosos apontavam a necessidade de ações tão ou mais importantes que deveriam tender a prevenir os acidentes, além de assegurar também o risco de lesões.

No princípio dos anos 30, o engenheiro H. W. Heinrich, em sua obra intitulada “Industrial Accident Prevention”, divulgou pela primeira vez afilosofia do acidente com danos à propriedade. Suas análises trouxeram como resultado a proporção de 1:29:300, isto é, para cada lesão incapacitante havia 29 leves e 300 acidentes sem lesões. Essa proporção originou a Pirâmide de Heinrich, que podemos visualizar abaixo:

O engenheiro Frank E. Bird Jr., em seu trabalho “Damage Control” ( Controle de danos ), atualizou a relação de Heinrich,analisando mais de 90.000 acidentes na Siderúrgica Luckens Steel, durante o período de 1959 a 1966. Bird desenvolveu a proporção de 1:100:500, ou seja, para cada lesão incapacitante, havia 100 lesões leves e 500 acidentes com danos à propriedade. Observe a figura abaixo:

Tomemos agora um caso modelo e vejamos como pode ser realizado um estudo envolvendo a problemática dos custos de acidentes,aplicando a proporção de Bird.

Consideremos uma empresa X e seus acidentes durante um ano.

CASO MODELO

Lesões incapacitantes 71
Lesões que necessitaram assistência médica 416
Lesões que necessitaram primeiros socorros 9.706
Número de trabalhadores 2.580
Horas-Homem trabalhadas 3.750.000
Prêmios de SegurosUS$ 208.300,00

CASO MODELO

Custo Indireto Médio das Lesões:
Por lesão incapacitante US$ 52,00
Por lesão – Assistência Médica US$ 21,50
Por lesão – Primeiros Socorros US$ 3,10

Aplicando estes custos em nosso caso temos:
71 lesões incapacitantes a US$ 52,00 US$ 3.692,00
416 lesões – Assistência Médica a US$21,50 US$ 8.944,00
9.706 lesões – Primeiros Socorros a US$ 3,10 US$ 30.088,60

TOTAL – Custo Indireto Médio das lesões US$ 42.724,60

Assim, tendo-se em conta as estatísticas do caso modelo e aplicando-se a proporção de Bird, verifica-se que o número de acidentes com danos à propriedade é de 35.500 ( 71 X 500 ), ou 142 acidentes por dia de trabalho.CASO MODELO

CUSTO DOS DANOS À PROPRIEDADE
( PROPORÇÃO DE BIRD )

Lesões incapacitantes 71
Acidentes com danos à propriedade ( 71 X 500 ) 35.500
Média de acidentes por dia 142

US$ 325.545 por milhão de horas-homem trabalhadas ( Bird/1959 )
Caso modelo: 3.750.000 horas-homem

Custo dos danos à propriedade US$1.230.749,00
( US$ 325.545 X 10-6 X 3.750.000 )

Média por acidente US$ 34,67
( 1.230.794,00 / 35.500 )

CASO MODELO

CUSTO TOTAL DOS ACIDENTES

Prêmios de Seguros US$ 208.300,00
Custo indireto das lesões 42.724,60
Custo dos danos à propriedade 1.230.794,00

Custo Total estimado US$ 1.481.818,60

Partedo estudo de Bird compreendeu 4.000 horas de entrevistas com supervisores de linha abordando eventos que, sob circunstâncias um pouco diferentes, resultariam em lesões ou danos à propriedade – são os “quase acidentes” abordados por Heinrich ou os denominados INCIDENTES na moderna técnica de controle de perdas.

Ampliando o referencial de seu estudo, Bird analisou acidentes ocorridos em 297...
tracking img