Contabilidade

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1122 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 11 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
ESCOLA EUROPÉIA DE CONTABILIDADE
Importante contribuição para o avanço do conhecimento contábil deu-se através da obra do Frei Franciscano Luca Pacioli, (1445/1510), estudioso da matemática, que publica no ano de 1.494, uma enciclopédia sobre o saber matemático da época e de um tratado sobre proporções. Nesse trabalho, de nome Summa de Arithmetica, geometria, proportioni et proportionalitá, écomposto de 36 capítulos, e contem um capítulo denominado Tractatus de Computis et Scripturis, que introduz a base das partidas dobradas utilizadas até hoje na contabilidade. O sistema das partidas dobradas era a essência da obra, e a transformou no marco histórico que deu início à contabilidade moderna. SÁ (1997:37) esclarece que: “A pressão exercida pelo desenvolvimento do capitalismo e o apoio doraciocínio lógico matemático podem ter formado o agregado que gerou a partida dobrada ou pelo menos que facilitou que fosse introduzida nos processos de registros contábeis.” A nomenclatura surgiu espontaneamente, do registro completo de uma

transação se dava o nome de Partida, assim, ao se promover a duplicação da quantidade de registros efetuados, passou-se a chamar de Partidas Dobradas. Ométodo se apóia no princípio matemático da equação, representando um fenômeno de igualdade de valor em causa e efeito no patrimônio. CORRENTES DOUTRINÁRIAS As correntes doutrinárias do pensamento contábil podem ser classificadas do seguinte modo: CONTISMO – precursores: Benedetto Cotrugli e Luca Pacioli. PERSONALISMO – precursor: Francesco Marchi CONTROLISMO – precursor: Fabio Besta REDITUALISMO –precursor: Eugen Schlmalenbach PATRIMONIALISMO – precursor: Vincenzo Masi AZIENDALISMO – precursores: Leo Gomberg, Johan Friedrich Schar, Rudolf Dietrich, H. Nicklish, Alberto Ceccherelli. NEOPATRIMONIALISMO – precursor: Antonio Lopes de Sá
1/5

Contismo Reconhecia a contabilidade como ciência, tendo por objeto as contas. Os seus precursores definiam a Contabilidade como “ciência das contas”.Foi a primeira escola do pensamento contábil na escala de nossa evolução científica. A estrutura da contabilidade, sobretudo em termos de demonstrações, no sistema de partidas dobradas, ocorre através de contas. A crítica que se fez a esse pensamento é que a conta é um efeito – apresenta o resultado de uma ação – e não uma causa, daí porque, segundo os críticos, a visão contista é uma visãosuperficial. Personalismo No início, as contas referenciavam devedores e credores, tão somente, sem menção às variações do patrimônio, porquanto este estava sob a vigilância do dono. Com a evolução do comércio e o método das partidas dobradas, aplicaram-se os conceitos de dever e haver, como indicativos das variações positivas e negativas dos elementos componentes do patrimônio. A classificação dascontas obedecia a uma estrutura muito simples, qual seja: PROPRIETÁRIO – todo o Patrimônio Líquido; AGENTES CONSIGNATÁRIOS – a quem eram confiados a entrega de bens e valores materiais - administradores; AGENTES CORRESPONDENTES – relação de débito e créditos com terceiros. Controlismo Esta escola é a base para a doutrina contábil de nossos dias e, também, para outras correntes do pensamento contábil,como o aziendalismo e o patrimonialismo. De acordo com tal corrente de pensamento, a contabilidade não cuida apenas de
2/5

contas, personalistas ou não. A Contabilidade, nessa ótica, é a ciência que estuda e pratica as funções de orientação e de controle, relativas aos atos e fatos da administração econômica. Fundamento, pois, dessa corrente, é que a Contabilidade deve controlar a riquezapatrimonial. Reditualismo Essa corrente de pensamento foi desenvolvida na Alemanha, produzindo efeitos em outros países da Europa. SÁ (1997:92) lembra que: “Os reditualistas tiveram como princípio admitir que o lucro é o que mais preocupa como objeto de estudo, sendo o fenômeno básico a ser observado, embora com a relatividade necessária.” Gobbis apud SÁ (1997:89) define redito como: “O redito é...
tracking img