Contabilidade

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1076 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 24 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
CAPITALISMO, LIBERALISMO E ORIGENS DA POLÍTICA SOCIAL
BEHRING, Elaine Rossetti; BOSCHETTI, Ivanete. Política Social: fundamentos e história. São Paulo: Cortez, 2006. p. 51-81.
ORIGENS DA POLÍTICA SOCIAL:
Questão Social e Política Social
Questão Social
“A questão social se expressa em refrações”
(NETTO, 1992 apud BEHRING; BOSCHETTI, 2006, p. 51)
QUESTÃO SOCIAL NO CAPITALISMOPOLÍTICAS SOCIAIS E A FORMATAÇÃO DE PROTEÇÃO SOCIAL
QUESTÃO SOCIAL
Elemento constitutivo
Relação entre o Serviço Social e a Realidade
Dentre as estratégias de enfrentamento da questão social, adotadas pelo Estado e pelas classes sociais, está a POLÍTICA SOCIAL .
Através da explicação da jornada de trabalho, Marx serve de referência para a interpretação entre questão social e política social.EXPLORAÇÃO DOS TRABALHADORES.

LUTA DE CLASSES.

EMERGÊNCIA DA QUESTÃO SOCIAL.↙ ↘
ESTADO (repressor) → LEGISLAÇÃO FABRIL.
A pressão pela ampliação dos direitos sociais colabora para a expansão das políticas sociais.
(...) a legislação fabril pode ser compreendida como precursora do papel que caberá ao
Estado na relação com as classes e os direitossociais no século XX. (BEHRING; BOSCHETTI, 2006, p. 56)

O Liberalismo e a Negação da Política Social
Rousseau (Século XVIII)
A sociedade civil é imperfeita e foi corrompida pela propriedade os ricos e poderosos querem proteger seus próprios interesses.
O Estado era uma criação dos ricos para preservar a desigualdade e a propriedade; o bem comum não interessava.
Para superar adesigualdade, Rousseau apontava como saída um Estado cujo poder estivesse na mão das pessoas.
Liberalismo: Meados do século XIX até a década de 30 do século XX.
Destaque: Adam Smith.
Fio condutor do liberalismo

Individualismo econômico. → Bem-estar coletivo
“Mão invisível” do mercado livre
↓Regula as relações econômicas e sociais e produz o bem-comum.

Ausência de intervenção estatal
O Estado é um mal necessário, responsável pelo fornecimento de uma base legal ao mercado que propicie condições de maximizar os “benefícios aos homens”.
Funções do Estado, segundo Smith:
1. Defesa contra os inimigos externos.
2. Proteção de todo o indivíduo deofensas.
3. Provimento de obras públicas que não pudessem ser realizadas pela iniciativa privada.
Elementos essenciais do liberalismo que negam a intervenção estatal:
Predomínio do Individualismo.
O bem-estar individual maximiza o bem-estar coletivo.
Predomínio da liberdade e competitividade.
Elementos essenciais do liberalismo que negam a intervenção estatal:
Naturalização da miséria.Predomínio da lei de necessidade.
Manutenção de um Estado Mínimo.
As políticas sociais estimulam o ócio e o desperdício.
A política social deve ser um paliativo.
No final do século XIX e início do século XX a organização e mobilização das classes trabalhadoras foram determinantes para a mudança da natureza do Estado Liberal.
As lutas da classe trabalhadora e a origem da política social.* A classe trabalhadora se organizou á luz dos princípios de emancipação humana, socialização da riqueza.
* Inicialmente, foi assegurado o direito ao voto e a organização em sindicatos e partidos.
* As políticas sociais surgem gradualmente e de forma diferenciada entre os países.
* Na Alemanha, a partir de 1883, as políticas sociais surgem orientadas pela lógica dos seguros...
tracking img