Contabilidade

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 15 (3738 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 8 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Treinamento e Consultoria

Palestras: ► Planejamento Financeiro Pessoal ► Redução de Custos


Página Principal
Quem somos
Fale conosco
Cursos
Consultoria
Cadastre-se
►Cursos a Distância

►Próximos Treinamentos (Rio de Janeiro):
Contas a Pagar e Receber
Fluxo de Caixa e Capital de Giro
Gestão Financeira da Pequena e Média Empresa
Fluxo de Caixa eCapital de Giro (Macaé)

Artigos
Análise
Seu bolso
Estudos
Índices
Planilhas


Share |
FORMAÇÃO DE PREÇOS

Formação de preço: um processo complexo e abrangente

BDI – Benefícios e Despesas Indiretas: aspectos fundamentais

Erros na formação de preços

Modelo básico de formação de preço

Formação de preço para pagamento parcelado--------------------------------------------------------------------------------

Formação de preço: um processo complexo e abrangente

A formação de preços é muito mais do que o simples processo de acumular custos e acrescentar uma margem de lucro. Com muita frequência, a formação de preços é tratada de forma simplista, sendo o maior cuidado não deixar escapar nenhum item do custo.

Para que o preço calculado produzaconsequências satisfatórias no curto, médio e longo prazo, alguns princípios devem ser observados. É importante lembrar que erros no processo de formação de preços podem não ter efeitos negativos sobre a empresa apenas no curto prazo. A longo prazo, esses erros trarão consequencias de alguma forma.

Os principais princípios a serem observados na formação de preços são os seguintes:

1.Distribuição dos custos comuns entre produtos e serviços

Em linguagem técnica a distribuição dos custos comuns é denominada rateio dos custos indiretos. Esta é uma das tarefas mais difíceis de executar porque qualquer critério de rateio escolhido sempre conterá algum grau de subjetividade. Mesmo o tão aclamado método de custeio denominado ABC (Acitivity Based Costing ou custeio baseado ematividades) está longe de resolver o problema.

O melhor a fazer é escolher o critério de rateio mais aplicável às características da empresa e do processo de produção ou operação, mas sem perder de vista que o objetivo final do rateio é que o total dos custos comuns (custos indiretos) seja coberto. Isso significa que a empresa tem uma grande liberdade para fazer a distribuição dos custos comuns enão precisa ficar refém de critérios de rateio, principalmente nas decisões de preço aplicáveis ao curto prazo.

2. Volume de produção para cálculo do custo unitário

Várias parcelas de custo são primeiramente conhecidas pelo seu valor total e este deve ser dividido pelo volume de produção ou operação para se chegar ao custo unitário. Por exemplo, o custo de administraçãoimputável a um certo produto é primeiramente conhecido pelo seu valor total, geralmente referido a um dado período de tempo. Depois disso, será escolhido um volume de produção ou operação para cálculo do custo unitário. Mas que volume de produção ou operação deve ser considerado para esse fim?

Em boa parte dos sistemas de controle interno, o volume de produção escolhido é a produção verificada.Como esses sistemas geralmente têm por objetivo a apuração de resultado, esse procedimento não traz problemas. Entretanto, para fins de formação de preço, o volume a ser considerado é aquele para o qual os custos foram assumidos. Isto significa que para fins de formação de preço, deve ser considerada a capacidade de produção e não a quantidade que foi produzida. Alguns ajustes podem ser feitossobre a capacidade de produção (inclusão de um fator de ociosidade natural, por exemplo).

3. Tributação

Um dos itens formadores do custo e portanto, do preço, são os impostos incidentes sobre o resultado da empresa, como é o caso do Imposto de Renda e Contribuição Social das empresas tributadas pelo sistema de lucro real. Por sua vez, o resultado a ser estimado dependerá, entre...
tracking img