Contabilidade no urugay

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1827 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 21 de junho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
total ausência da ingerência do Estado no exercício profissional, ou seja, não há regulamentação profissional, mas apenas organizações de natureza privada e voluntária, sem obrigatoriedade do registro para o exercício da profissão. Este modelo é aplicado no Paraguai e Uruguai

No Paraguai, apesar de a profissão não estar regulamentada, e da não-obrigatoriedade de registro em órgão de classe, asprofissões existem no conceito acadêmico e em termos reais do exercício, com tendência clara de regulamentação e autonomia distinta. No entanto, no Uruguai, ainda que a situação profissional se encontre de forma semelhante à do Paraguai, no tocante à regulamentação segue a tendência de congregar todas em uma mesma entidade, ou seja, no Colégio de Contadores e Economistas do Uruguai.

3.1.4 -Uruguai 
  
3.1.4.1 - Característica da Profissão Contábil
A profissão de Contador Público no Uruguai até o momento não está regulamentada; existem, entretanto, alguns dispositivos esparsos que tratam do assunto, como é o caso de uma lei de 1917 que reserva aos contadores e peritos a possibilidade de exercer exclusivamente aqueles cargos que se ocupam da "teneduría de libros". Essa disposição foiampliada e renovada pelo Decreto 104/68, porém, muitos organismos públicos de nível intermediário não a cumprem.
Depois, tem-se a Lei n.º 12.802/60, ("Ley de Rendición de Cuentas"), que contém três artigos nos quais se estabelecem sucintamente algumas atuações privativas que podem ter certos profissionais, entre eles os contadores públicos. Essa Lei prevê a atuação do Contador Público emcertificações de balanços, prestações de contas ou relatórios contábeis apresentados perante organismos públicos. Adicionalmente, prevê a possibilidade de firmar algum escrito perante a Justiça. Porém, por falta de regulamentação, a lei não era cumprida pela maior parte dos organismos públicos. Além disso, as sociedades anônimas, as empresas de maior volume no país, podiam apresentar suas demonstraçõescontábeis sem a necessária intervenção de um Contador Público.
Em 1981 o Colégio de Doutores em Ciências Econômicas e Contadores do Uruguai, deu um importante impulso criando uma comissão de regulamentação profissional com a missão de preparar um projeto em tal sentido. A comissão cumpriu seu objetivo, e em maio de 1982 o projeto aprovado pelo Colégio em assembléia de sócios foi entregue aoMinistério do Trabalho e Seguridade Social, começando aí um largo período de informação e opinião por distintos ministérios, agremiações de outras profissões e pela Universidade da República.
Em fevereiro de 1991, o Decreto n.º 103/91, seguindo os moldes do projeto, reafirmou a obrigatoriedade de os relatórios contábeis apresentados perante organismos públicos estarem acompanhados de informe emitido porcontador público. Posteriormente, em 1993, foi aprovado o Decreto n.º 240/93, que estabelece a obrigatoriedade de os balanços apresentados perante os organismos públicos terem pareceres de auditores independentes. Ressalta-se, entretanto, que até o momento a profissão contábil não está regulamentada.
Atualmente a entidade que congrega os contadores no Uruguai é o Colégio de Contadores eEconomistas do Uruguai, que acolhe também os Administradores. Não é obrigatória a matrícula na entidade para fins de exercício da profissão.
O Colégio é uma entidade de natureza privada, independente do governo e de qualquer outro organismo oficial, dirigido e administrado por um Conselho Diretivo composto de 9 membros com mandato de 2 anos, eleitos por escrutínio secreto juntamente com o ConselhoFiscal, o Tribunal de Honra e a Comissão Eleitoral. Os membros eleitos exercem suas funções em tempo parcial e de forma honorífica.
De acordo com o Estatuto Social aprovado em 1960, as principais finalidades do Colégio são:
a) reivindicar para a profissão os direitos correspondentes, atuando para que os Poderes Públicos ditem leis, decretos e outras disposições que façam respeitar os mesmos;
b)...
tracking img