Conselho escola e comunidade

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 15 (3554 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 10 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
FACULDADES INTEGRADAS MARIA THEREZA
Curso de Pedagogia





IRACILDA MARIA DA SILVA




“CONSELHO ESCOLAR E COMUNIDADE”



































NITERÓI
2012
IRACILDA MARIA DA SILVA









“CONSELHO ESCOLAR E COMUNIDADE”













Trabalho de conclusão do Curso apresentado aCoordenação de Pedagogia das Faculdades Integradas Maria Thereza como requisito parcial para a obtenção do grau de Licenciado em Pedagogia.

















Orientador: Profª. Maria Inês









Niterói
2012


Introdução


O presente projeto de pesquisa intitulado visa investigar a participação da comunidade na escola no modelo de gestão democrática.No decorrer da minha formação escolar. Experiências vividas como aluna de escola pública estadual. A escola não tinha atitudes democráticas de participação da comunidade nas decisões que esta deveria tomar sobre assuntos de interesse daquela comunidade.
Na minha percepção pessoal, o autoritarismo sempre esteve presente por parte dos gestores escolares. O Projeto Político Pedagógicoministrado pela escola era feito para atender aos interesses do ensino para submeter o indivíduo a ordem que interessava a representação do Estado, não ao povo.
No período primário, ensino de 1ºgrau e 2ºgrau, da década de 70 até a década de 80, foi o período em que a ditadura estava no auge das repressões aos pensadores críticos, muitos foram exilados e outros presos.
Para deter opensamento critico, políticos articularam “artimanhas” inteligentes, com reformas na educação. Governantes boicotaram a educação com as licenciaturas curtas e longas, abrindo espaços para que profissionais, bacharéis, de outras áreas, como: advogados e médicos etc, se tornassem professores. Houve reformulação das disciplinas, principalmente, as de História e Geografia, substituídas pela disciplina deEstudo Sociais. Também, inclusão de novas disciplinas como: OSPB e Educação Moral e Cívica, com finalidades específicas de deixar o povo sem voz ativa. “Negando ao povo qualquer possibilidade de desenvolver o raciocínio cientifico e, portanto crítico na clientela deste nível e formação”. (PUC de SP, 1980).
Com isso era visado, em última instância, o total desmantelamento da área deconhecimentos tradicionalmente entre nós como as Ciências Humanas. Hoje, professores e alunos envolvidos por esta solução educacional biônica não conseguem dominar nem História, nem Geografia e, muito menos OSPB e E.M.C., estas últimas, de resto, portadoras de conteúdos puramente doutrinários. (Unicamp, 1980).
Os movimentos articulados por entidades não governamentais e por alunos para modificar esse“terrível” quadro autoritário da educação no país, lutam em busca de transformação contraditória das políticas sociais desse presente, lutam por mudanças estruturais na organização social, política e econômica do nosso país. Esses movimentos dão início ao processo de democratização do Brasil. Os movimentos estudantis e sociais das “Diretas Já!”. Protagonizado pelos “caras pintada” na cidade doRio de Janeiro que foi o dia “D” do movimento em prol da democracia. No ano de 1984 que é marco das lutas pela redemocratização do país, ganham representatividades hegemônicas, embasado numa perspectiva de direitos sociais coletivos e da cidadania coletiva. (GOHN, 1997, p.226).
Nesse período surgiu o Conselho Escola-comunidade, objetivando promover debate sobre as questões educacionais. Acriação desse Conselho caracterizado como “projeto democrático”, que na prática, os discursos ainda mantém-se focado em ideologia. Três anos depois, tornou-se necessário à implementação do conselho de pais e mestres e em 1991, surgiu o Grêmio Estudantil. Permeando a comunidade ter participação nos assuntos de interesses da sociedade dentro da escola e lutar pelos direitos da educação democrática....
tracking img