Conforto ambiental

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 15 (3591 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 16 de setembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
VARIÁVEIS ARQUITETÔNICAS



Podemos pensar no habitat como uma forma de defesa dos inconvenientes climáticos do meio. Sendo assim, a construção seria uma espécie de filtro a ser concebido pelo arquiteto, na tentativa de solucionar os problemas de adaptação do homem ao ambiente.
Para que essas soluções sejam acertadas, é necessário o estudo das variáveis arquitetônicas como a forma, a função,os tipos de fechamentos e os sistemas de condicionamento (climatização e iluminação). Essas variáveis interagem simultaneamente com o meio ambiente e com o homem.


4.1 - FORMA ARQUITETÔNICA

Além do desempenho das várias atividades, o habitat é também construído para a segurança dos usuários, abrigo e defesa das variações climáticas. O projeto consciente deverá buscar garantir ao edifíciouma perfeita interação entre o homem e o meio em todas as escalas (urbana, arquitetônica, construtiva e imediata).
A forma interfere diretamente sobre os fluxos de ar no interior e no exterior; na quantidade de luz e calor solar recebido pelo edifício. Sendo assim uma importante variável para as condições interiores de conforto, e conseqüentemente, para o desempenho energético das edificações.Como relação ao conforto térmico, a influência da forma arquitetônica é evidenciada em vários locais do mundo. Abaixo estão alguns exemplos:

[pic]
O traçado urbano da cidade de Marrakesh, em Marrocos, canaliza a brisa do mar para o interior da cidade. O vento quente continental é desviado pela forma do aglomerado das edificações, possibilitando o conforto na escala urbana.





O mesmovolume de espaço interior pode ter

formas diversas, apresentando

comportamentos térmicos e visuais distintos.

































A forma do iglu diminui a superfície de contato com o ar exterior, minimizando perdas de calor. A cobertura altamente inclinada dos chalés das montanhas evita o acúmulo de neve e promove maior exposição aos raiossolares.


Projetos de Frank Lloyd Wright
respeitam os elementos
naturais do local.
Amplos telhados proporcionam
grandes áreas de sombra.
Uso amplo da luz natural.







Os pilotis permitem à arquitetura descolar-se do solo, incrementando a circulação de pedestres e à ventilação no térreo. A arquitetura pode interferir no movimento de ar de diversas maneiras, como na figura abaixo:4.2 – FUNÇÃO



FORMA X FUNÇÃO – Qual é a prioridade? Causa ou conseqüência?

As prioridades são equivalentes. A funcionalidade por si só poderá ser abalada pelo baixo desempenho térmico, lumínico ou acústico devido a uma forma inadequada.

As funções residencial, comercial e pública devem ser vistas com suas particularidadesde uso. O horário de uma edificação comercial ou publica, em geral durante o dia, expõe constantemente os usuários aos efeitos do calor do sol. Isto aliado a ganhos internos elevados (iluminação e equipamentos) vem refletir no uso quase constante dos aparelhos de ar condicionado. Devemos então observar os horários de funcionamento da edificação. A luz natural deveria ser mais explorada,especialmente nas circulações, reduzindo sensivelmente o consumo com sistemas de iluminação artificial.

Uma aglomeração urbana não apresenta necessariamente, as mesmas condições climáticas relativas ao macroclima regional na qual está inserida. As modificações climáticas podem ser tais que as areas urbanas, notadamente as maiores, resultem em verdadeiras “ilhas de calor”.

Tais ilhas de calor sãogeradas a partir das modificações impostas a drenagem do solo, em grande parte, pelo revestimento de concreto e asfalto.

As cidades também são produtoras de calor devido a grandes quantidades de equipamentos instalados, transportes, etc. Além da interferência da massa construída, a poluição gerada em um meio urbano modifica as condições do ar quanto a sua composição química e odores.

Na...
tracking img