CONCILIO

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2365 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 17 de outubro de 2014
Ler documento completo
Amostra do texto
A ESTRANHA TEOLOGIA CATÓLICA

9. “Mas em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de
homens”
Mateus 15: 9

Os imperadores romanos convocaram e presidiram os oito primeiros concílios, chamados “Concílios do Oriente”, e os homens, fora do alcance do poder do ETERNO e de seu Espírito,contrariando todos os princípios evangélicos, em seu desvario, sem a oposição dos crentes fiéis e com o apoio do Estado, introduziram ou oficializaram “doutrinas que são preceitos de homens”, como em sua Onisciência antevira JESUS, quando afirmou:

“Hipócritas! bem profetizou Isaías a vosso respeito, dizendo: Este povo honra-me com os lábios; o seu coração, porém, está longe de Mim” (Mt 15.7,8).A Igreja de JESUS perde mais uma batalha na marcha do paganismo com a oficialização da união Igreja-Estado.

CONCÍLIO DE CONSTANTINOPLA (381 d.C.)

O sínodo reunido em Constantinopla (381 d.C.) sob TEODÓSIO, para desfechar no arianismo o golpe de misericórdia, não é menos digno de nota. Era o segundo concilio geral. Convocado pelo imperador e presidido pelo PRÓPRIO Imperador juntamente comos bispos que ele nomeava, esse concílio, que foi, quase do princípio ao fim, um tempestuoso pronunciamento contra as tendências usurpadoras do “bispo” Dâmaso, igualou à metrópole de Roma a de Constantinopla, Alexandria, Antioquia, Efeso e Cesaréia, elevou em privilégio a capital do Oriente à altura do metropolita italiano, que não protestou. E, posto fosse o segundo sínodo geral, posto nele setivesse completado o símbolo niceno com o dogma do ESPÍRITO SANTO, não teve o bispo de Roma naquela assembléia nem um representante sequer.

Um dos primeiros erros foi o surgimento da hierarquia, conforme discutido antes. Em Atos 15, também vimos os apóstolos às voltas com a solução de um problema que só surgiu na Igreja por culpa de crentes fora do alcance do ESPÍRITO SANTO, quando queriamsoluções humanas para problemas espirituais.

Na reunião de Atos 15, revela-se que a igreja, a congregação de crentes, agia democraticamente, pois todos tiveram direito de opinar, e por votação resolveu-se o assunto:

22. “Então pareceu bem aos apóstolos e aos anciãos com toda a igreja (...)”
Atos 15: 22No entanto, a Igreja passou da democracia à ditadura papal, e hoje o papa “infalível” não pode admitir contestação. “Roma locuta est, causa finita est” (“Roma falou, está falado”).

A segunda introdução, como já vimos, foi a regeneração pelo batismo e o batismo de crianças, que se tornou obrigatório em 416 d.C.. Isso estabelecido por lei, dois princípios do Novo Testamento foram quebrados:O batismo dos crentes e o da obediência voluntária ao batismo. Assim, a Igreja desviada logo se foi enchendo de membros inconversos. Não se passaram muitos anos até que fosse quase totalmente composta de incrédulos.

Resultou daí que os costumes dos cristãos se corromperam, e que, na nova religião, a sociedade conservou seus antigos vícios. As heresias, que até ali não tinham sido mais do quedisputas de escola, tomaram um caráter mais sério, a ponto de lançarem a desordem na ordem pública.

Os crentes verdadeiros, aqueles que procuravam seguir à risca os preceitos bíblicos, não aceitavam em suas congregações a filiação de pessoas oriundas da igreja desviada. Os que se convertiam eram novamente batizados conforme ensina a Bíblia:

16. “Quem crer e for batizado será salvo; mas quemnão crer será condenado”
Marcos 16: 16

Outrossim, o nome de cristão era negado aos membros das igrejas que rebatizavam — eram considerados, e chamados, “hereges”:

É fácil imaginar as perseguições que sofreram daí para a frente. Digno de nota é o fato de que as perseguições, agora, não partiam dos...
tracking img