Comportamento organizacional

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1174 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 5 de abril de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
A evolução histórica dos direitos fundamentais
1. A evolução histórica dos direitos fundamentais
Resumo artigo
Os direitos humanos sempre existiram, pois os mesmos são inerentes do ser humano enquanto tal. Entretanto,nem sempre eles foram reconhecidos pelos detentores do Poder. Além disto, certamente, nem todos são conhecidos.
A declaração e consagração dos direitos humanos no ordenamentojurídico foi fruto de uma longa evolução da sociedade, que foi notada pro filósofos e juristas, somente sendo conquistadas garantias por parte do individuo através de lutas e disputas entre governantes e governados.
A Antiguidade greco romana:
Na Grécia o trabalho dos filósofos que se utilizavam da razão, foi essencial para o reconhecimento dos direitosfundamentais. Neste sentido,Vicente GreccoFilho anota:

“Após as escolas de Hercáclito , a eleática e a pitagórica , em que as leis humanas se confundam com o principio do cosmo, coube aos sofistas, com seu espírito critico, trazer as indagações a respeito das leis humanas para o campo da vontade do homem, na forma em que se realiza na experiência”.

Em tal período, o homem já era visto com certa individualidade, mas tal concepção foieminentemente filosófica sendo que não se indagou, concretamente, sobre a existência de direitos fundamentais do indivíduo em face do estado e de seu agentes. Aliás, os pensadores gregos acreditavam que a personalidade humana somente podia se desenvolver se estivesse integrada e subordinada ao Poder Público. Aristóteles entendia que o homem devia viver em função do Estado. Hoje é sabido que oEstado só existe para servir o homem e não o inverso, mas tal realidade era desconhecida dosgregos.
Por seu turno, os juristas romanos tinham formação filosófica e conheciam os pensadores gregos, mas a preocupação destes foi, ao contrario dos primeiros, eminentemente prática. Reconheciam o fato de que nem sempre o justo coincide com o lícito e concebiam três estratos de ordem jurídica,o jus naturaleo jus gentium e o jus civil. O fato que nos interessa é que alguns primórdios de reconhecimento dos direitos humanos já estavam presente no Direito Romano, como o veto do tribuno da plebe contra ações injustas dos patrícios, a lei de Valério Publícola,que proibia penas corporais contra cidadãos em certas situações, e o Interdicto de Homine Libero Exhibendo,remoto antecedente do hábeas corpus,entre outras disposições.
Conforme afirma Vicente Grecco Filho , o processo romano atingiu alto grau de evolução ainda hoje é admirado.em suas três fases (das ações da lei,o período formulário e o da cógnito extra ordinem )a aplicação do direito foi aprimorada:

“mas em nenhum momento o mecanismo judicial se estruturou
no sentido de garantir a pessoa contra a vontade do imperador.”
OCRISTIANISMO

Quanto à influência do cristianismo para o reconhecimento dos direitos fundamentais, Meyreles Texeira afirma que “pode-se afirmar ter sido o Cristianismo que, não só do ponto de vista político, como no campo geral das valorações, fundou a dignidade do homem como ser individual, racional e livre, criatura de Deus, chamada a uma vida sobrenatural e imortal”. Tal fato se deu devido a doutrinacristã definido homem como criado à imagem e semelhança de Deus. Outro aspecto importante do cristianismo, é o fato da Igreja defender que todo poder deriva de Deus e, destarte, para qualquer outro existem limites. 
Por derradeiro, ao considerar que Deus deu a vida ao o homem somente a ele, e não o Estado,a poderia tirá-la da pessoa. Tais concepções foram fundamentais (ou direitos humanos) e parase perceber que devem existir limites para o Poder estatal.
Bem por isto, Jorge Miranda defende ser com o cristianismo que todos os seres humanos passaram a ser consideradoscomo pessoa dotadas de “eminente valor” pelo simples fato de o serem como tal, tendo sido criadas à imagem e semelhança de Deus, e assim, todos os homens possuem uma liberdade irrenunciável que nenhuma sujeição política ou...
tracking img