Comercio eletronico

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 26 (6273 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 12 de abril de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
TRABALHO: COMÉRCIO ELETRÔNICO BRASIL

Capa
Apresentação do Tema
Comércio Eletrônico Poucos acontecimentos tiveram tanta influência em nossa sociedade quanto o surgimento do Comércio eletrônico Int. Além de tornar muito mais ágil e eficiente a forma como as pessoas comunicam-se, procuram informações e adquire conhecimento, a internet possibilitou o surgimento de um novo meio de comercializaçãochamado e-commerce (comércio eletrônico).
O mercado mundial está absorvendo o comércio eletrônico em grande escala. Muitos ramos da economia agora estão ligadas ao comércio eletrônico
Conceituação, histórico e situação atual
O conceito de comércio eletrônico surgiu no final dos anos 70. Diferente do modelo atual, a prática permitia que as empresas mandassem apenas ordem de compras e comprareletronicamente. Com a expansão do uso de cartões de créditos, serviços de auto-atendimento, caixas eletrônicos e o auge da utilização da internet, houve a popularização do e-commerce. Aqui no Brasil, as empresas começaram a trabalhar com comércio eletrônico em 1995, logo depois da internet comercial. Neste sentido, o Submarino, o Grupo Pão de Açúcar e as Lojas Americanas foram as pioneiras emvendas online.
Existe tecnologia, como por exemplo: maior comodidade para o cliente, segurança e rapidez no pagamento das mercadorias, diminuição dos impostos, aumento dos lucros da empresa, pesquisa de preço do produto, redução da mão-de-obra, comercialização em âmbito global, etc.

Os clientes e para a sociedade; questões como aumento do número de desemprego, diminuição da qualidade dos produtosentregues aos clientes, são alguns dos exemplos mais comuns das desvantagens do comércio eletrônico, que serão abordadas no decorrer deste tópico.






Evolução

Vendas por e-commerce no Brasil disparam no primeiro semestre de 2011

Crescimento dos negócios via online cresce em ritmo forte e atrai presença de nomes tradicionais do varejo físico
No primeiro semestre de 2011, ofaturamento estimado do comércio eletrônico no Brasil girou em tomo de R$ 8,8 bilhões, montante maior do que todo o faturamento de 2008, que ficou na casa dos R$ 8,2 bilhões. A expectativa é de que, até o final do ano, esse valor chegue próximo dos R$ 20 bilhões. No ano passado, foram R$14,8 bilhões em vendas pela internet. O número representa acréscimo de quase 40% ante os R$ 10,6 bilhões registrados em2009. Em 2010, foram registrados mais de 23 milhões de e-consumidores. Ao todo, no período, se consumaram mais de 40 milhões de pedidos em todo o território nacional.
Os números são da e-bit, especializada na divulgação de informações sobre comércio eletrônico. Eles demonstram a força da evolução desse canal de vendas nos últimos anos. “Lá pelo ano 2001, o perfil do comprador era mais elitizado,ele pertencia a quem tinha acesso ao computador, às classes A e B”, lembra Alexandre Umberti, diretor de marketing e produtos da e-bit. Na época, os produtos mais vendidos eram livros, CDs e DVDs e os tíquetes eram debaixo valor. “Os consumidores não tinham tanta segurança”, justifica.
Hoje, as condições são outras. O poder aquisitivo da população cresceu nos últimos anos e o número de pessoas comcomputador em casa aumentou de forma significativa. Muitos consumidores da classe C passaram a fazer compras online. Calcula-se em 27 milhões o número de brasileiros que fizeram ao menos uma compra online até hoje. Somente nos primeiros seis meses do ano, quatro milhões de pessoas fizeram sua primeira compra virtual.
Luiz Goes, sócio sênior da GS&MD -Gouvêa de Souza, consultoria especializada emvarejo, também credita à elevação do poder aquisitivo da população grande parcela na evolução do comércio eletrônico. “Com o crescimento da renda, há a tendência de os consumidores se tomarem mais multicanais”, explica, ao avaliar que ainda existe muito potencial de evolução. Hoje, as lojas físicas respondem por 95% vendas do varejo. Outros meios tradicionais de distribuição – feiras, vendas...
tracking img