Colheita mecanizada

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 21 (5180 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 7 de abril de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Resumo




Considerando se a demanda e a oferta de tecnologia observa se que do lado da demanda a evolução dos salários e preços dos produtos, verificando o investimento global, comparando o sistema de colheita da cana. De 1976 a 1997, avaliando o corte manual X corte mecânico o que se verificou que os fatores direcionam para a tecnologia e nisso houve um grande incremento, a adaptação eevolução das colhedoras. Verifica se a necessidade de melhorar a limpeza da matéria prima colhida com objetivo de dar mais qualidade ao produto. Na difusão da tecnologia, no que tange a mecanização há a necessidade de planejar a lavoura, otimizar as máquinas e estimular a criação de novas estratégias por parte dos fabricantes de máquinas visando a adaptação para maior produtividade e eficiência.Palavras chave: colheita da cana, corte manual, mecanização, meio ambiente, colheita.












MECANIZAÇÃO DA COLHEITA DA CANA-DE-AÇÚCAR


Introdução


A cultura da cana-de-açúcar inicia-se em 1532 com Martim Afonso de Souza por ordem de Dom João III, rei de Portugal. Para dividir o Brasil em capitanias hereditárias e foi na capitania de Pernambucogovernada por Duarte Coelho onde nasceu o primeiro centro açucareiro do Brasil pela habilidade e eficiência do donatário, a terra, o clima e a proximidade da Europa em relação as demais capitanias, depois se destacou como iniciador de produção de açúcar do Brasil colonial, a capitania de São Vicente em São Paulo.
A produção era direcionada ao mercado externo. Com a criação do governo geral em1548 começa a política de crescimento da produção do açúcar no Brasil.
Com a fundação da cidade da Bahia em 1549 e as conseqüências do desinteresse dos donatários em função do ataque dos índicos, o governo geral estabeleceu a paz entre os índios e a ocupação do solo nos recôncavos da Bahia, isentou por dez anos as taxas do açúcar exportado, criou o senhor do engenho incentivando ocooperativismo para uso de moendas trazendo enorme progresso, bastando dizer que em 1637 e 1645 a produção atingiu cifras admiráveis mas em 1654 os Holandeses expulsos levaram as técnicas de plantio e o modelo brasileiro fazendo grande concorrência aproveitando se da localização, distribuição e conhecimento do mercado, se aliando as colônias Francesas, Inglesas e da América Central.
Afase baixa se deu até 1775 pois o setor perdeu mão de obra para o”rush” mineiro, a partir daí a guerra de Independência dos EUA (1775/1776) houve mudanças em 1808 com abertura dos portos e a Independência do Brasil em 1822 foram incorporadas inovações em 1870 a revolução tecnológica evidenciando as ferrovias e surgindo a agroindústria, os engenhos se fortalecem, padroniza se os produtos e em 1888com a abolição dos escravos surgem os “Engenhos Centrais” atuais Usinas de Açúcar, com o desenvolver dos engenhos acabam se as engenhocas, os engenhos e o açúcar brasileiro do mercado internacional o que fez com que o governo protegesse a indústria canavieira, processo que se acelerou em 1929 com a crise mundial e criou se o Instituto do Açúcar e Álcool (IAA), em 1933 o Governo Vargas criou oregime de quotas e em março de 1990 o presidente Color extinguiu o IAA, criando a Secretaria do Desenvolvimento Regional, ainda sobre o controle do governo federal, com legislação específica. Os engenhos no final do século XIV se concentravam na região do quadrilátero formado entre Campinas, Itu, Mogi-Guaçú e Piracicaba e ao norte do Estado na região de Ribeirão Preto sendo que no início da década de50 surgiram em São Paulo as que hoje são as maiores unidades produtoras brasileiras como Usina da Barra, São Martinho, Santa Elisa, Costa Pinto entre outras.
Em 1997 o preço do álcool anidro foi liberado e em 1997 o da cana-de-açúcar, e do álcool hidratado e atualmente o Brasil lidera a produção e a exportação mundial de açúcar com 27% da produção e 25% da área colhida, com...
tracking img