Colera

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 13 (3037 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 3 de dezembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
CONCEITO
A cólera é uma doença infecciosa intestinal aguda causada pela enterotoxina do Vibrio cholerae O1 ou O139 e é de transmissão predominantemente hídrica.
As manifestações clínicas ocorrem de formas variadas, desde infecções inaparentes ou assintomáticas até casos graves com diarreia profusa, podendo assinalar desidratação rápida, acidose e colapso circulatório, devido agrandes perdas de água e eletrólitos corporais em poucas horas, caso tais perdas não sejam restabelecidas de forma imediata.
Os quadros leves e as infecções assintomáticas são mais frequentes do que as formas graves.
Etiologia
O agente etiológico da cólera é o Vibrio cholerae O1 toxigênico ou O139, bacilo gram-negativo, com flagelo polar, aeróbio ou anaeróbio facultativo, isolado por Kochno Egito e na Índia, em 1884, inicialmente denominado de Kommabazilus (bacilo em forma de vírgula).

[pic]
Existem dois biótipos de Vibrio cholerae O1: o clássico, descrito por Koch, e o El Tor, isolado por Gotschlich em 1906, de peregrinos procedentes de Meca, examinados na estação de quarentena de El Tor, no Egito.
Ambos os biótipos são indistinguíveis bioquímica e antigenicamente;de igual forma, enquadram-se na espécie Vibrio cholerae e integram o sorogrupo O1, que apresenta três sorotipos, denominados Ogawa, Inaba e Hikojima.
O biótipo El Tor é menos patogênico que o biótipo clássico e causa, com mais frequência, infecções assintomáticas e leves. A relação entre o número de doentes e o de portadores com o biótipo clássico é de 1:2 a 1:4; com o biótipo El Tor, arelação é de 1:20 a 1:100.
Outro fator que favorece a disseminação do biótipo El Tor é a maior resistência deste às condições externas, que o permite sobreviver por mais tempo do que o biótipo clássico no meio ambiente.
Essas características do El Tor dificultam significativamente as ações de vigilância epidemiológica e, na prática, impedem o bloqueio efetivo dos surtos de cólera,principalmente quando ocorrem em áreas com precárias condições de saneamento.
O Vibrio cholerae é um micro-organismo autóctone natural do ecossistema aquático e pode ser encontrado em forma livre na água ou associado ao zooplâncton, ao fito plâncton, às plantas e aos organismos marinhos, como peixes, ocasionando a contaminação passiva da ostra e do mexilhão, no processo de filtração da água quecontenha o plâncton.
Dentre os fatores abióticos mais estreitamente relacionados à sobrevivência do agente da cólera, destacam-se:
a) A temperatura da água: a faixa mais favorável situa-se entre 10º e 32º C. Nessa variação, o V. cholerae tende a se localizar na superfície. Com a temperatura abaixo de 10º C, a bactéria tende a se localizar no sedimento na forma viável, porém não cultivável.b) A salinidade: na faixa de 0,3% a 1,79%, a salinidade concorre para a maior viabilidade do vibrião. Abaixo de 0,3%, a viabilidade passa a depender da concentração de nutrientes orgânicos e da temperatura mais elevada, particularmente em água doce.

c) O pH: mais favorável na faixa de 7,0 a 9,0, com limites de tolerância de 5,5 a 10,0, principalmente no caso do biótipo El Tor.

d) A umidade:o Vibrio cholerae não resiste à dessecação. Experimentalmente, o Vibrio cholerae pode sobreviver de 10 a 13 dias em temperatura ambiente e até 60 dias em água do mar sob-refrigeração. Em água doce, sua sobrevivência atinge até 19 dias; em forma de gelo, de quatro a cinco semanas.

As observações em ambiente marinho assinalam a maior sobrevivência em águas costeiras e estuarinas, emcontraposição às de alto mar. Seja por alteração de qualidade e quantidade de organismos marinhos, ou da salinidade, o Vibrio cholerae não é detectado em pescados de alto mar.
Entretanto, seu isolamento nas águas doces superficiais e de estuários somente é possível quando a contaminação fecal for constante. Isso significa que, aparentemente, não há fixação ou multiplicação da bactéria no...
tracking img