Codigo de boas praticas ambientais

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 40 (9844 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 26 de janeiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
GUIA
DE BOAS PRÁTICAS
AMBIENTAIS

GUIA
DE BOAS PRÁTICAS
AMBIENTAIS

ÍNDICE
01. INTRODUÇÃO
02. CARACTERIZAÇÃO DA ACTIVIDADE

29

06. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

37

ANEXO I - Checklist de avaliação
do desempenho ambiental
ANEXO II - Identificação de códigos LER

APED - Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição
Campo Grande, 286 - 5º
1700-096 Lisboa
Tel +351 21751 09 20
Fax +351 21 757 19 52
www.aped.pt

23

05. DEFINIÇÕES E ABREVIATURAS

1ª Edição

9

04. INFORMAÇÃO AO CONSUMIDOR
Sinalética de Loja
Facturas
Simbologia

Comissão de Ambiente da APED

6

03. BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS
Água
Efluentes líquidos
Energia
Emissões atmosféricas
Resíduos
Ruído

Fotos cedidas por AIC

5

39
45

INTRODUÇÃO

A AssociaçãoPortuguesa de Empresas de Distribuição –
APED – reconhece que os problemas ambientais se revestem de uma importância crescente a todos os níveis de actividade económica e considera que a actividade empresarial
deverá integrar as questões ambientais e sociais como parte
das prioridades do sector.
Consciente das suas responsabilidades na promoção da
melhoria contínua do desempenho ambiental do sector, aAPED reúne neste Guia de Boas Práticas Ambientais as principais obrigações e recomendações aplicáveis à actividade
do sector da Distribuição.
O presente Guia de Boas Práticas Ambientais enquadra-se
nos Princípios de Orientação Ambiental definidos da Carta
do Ambiente da APED e constitui o primeiro documento
desta natureza elaborado para o sector da Distribuição.
Com este Guia a APEDpretende, assim, promover um sentido de responsabilidade em relação ao Ambiente, comple-

mentando, se necessário, as linhas de orientação seguidas
pelas empresas suas associadas.
O documento que agora se apresenta resume os principais
requisitos legais aplicáveis à actividade das empresas e define linhas de orientação de carácter voluntário, traduzidas
num conjunto de medidas práticas, as quaisvisam melhorar
comportamentos, práticas, atitudes e promover o desenvolvimento sustentável.
A APED procurou ir ao encontro da realidade de todo o sector
da Distribuição, apesar das particularidades de cada tipo de
actividade. Cada empresa deverá procurar adequar a natureza da sua actividade e a forma de abordagem aos requisitos
e princípios nele inscritos. Deverá também ter em consideração queos requisitos legais apresentados correspondem à
data de elaboração do Guia, devendo ser actualizados sempre que necessário.
MAIO 2010

CARACTERIZAÇÃO DA ACTIVIDADE

02

A actividade da Distribuição Alimentar descreve-se
através do seguinte fluxograma-tipo, com a identificação
dos impactes ambientais e das principais etapas da operação,
desde a recepção de mercadoria até ao serviçoao cliente.
Para o caso da Distribuição Não Alimentar, são eliminadas
as fases de “preparação/transformação”
e “acondicionamento”.

7

Identificam-se de seguida as fases1 associadas a cada
etapa principal da actividade da Distribuição:
Recepção
› Controlo das condições de entrega e do produto
› Aprovação ou rejeição da mercadoria recepcionada
e respectivos registos
› Desembalamento eencaminhamento da mercadoria
para local pré-definido
› Devolução ao fornecedor da mercadoria rejeitada
› Arquivo dos documentos de acompanhamento
da mercadoria e registos
Armazenamento
› Arrumação da mercadoria aprovada à recepção em local
adequado
Preparação/Transformação
› Lavagem de alimentos
› Preparação/transformação de produtos (ex. carne,
pescado, queijos, frutas/vegetais,assados/grelhados,
confecção de refeições)
› Acondicionamento de produtos
› Rotulagem de produtos

1 APED, 2007. Código de Boas Práticas da Distribuição Alimentar.

› Higienização das superfícies de trabalho, equipamentos
e utensílios
› Verificação do estado de conservação e limpeza das
superfícies de trabalho, equipamentos e utensílios
Acondicionamento
› Acondicionamento da mercadoria...
tracking img