Cipa

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 48 (11752 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 27 de setembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
DISCIPLINA – SEGURANÇA NO TRABALHO


NOTAS DE AULAS




ÍNDICE Página

1- Breve Histórico 02

2- Relação da Normas Regulamentadoras 04


3- Introdução á Segurança e Saúde do Trabalho 05

4- Conceito de Segurança no Trabalho 06

5- Classificação de Acidentes no Trabalho 07

6- Dados Estatísticos eCusto dos Acidentes 08

7- Lei 6.514 – SESMT 09

8- Ato e Condição Insegura 10

9- C.I.P.A. – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes 12

10- Equipamento de Proteção Coletiva 15

11- Equipamento de Proteção Individual 15

12- Higiene do Trabalho17
12-1 Agentes Físicos 18
12-2 Agentes Químicos 22
12-3 Agentes Biológicos 24
12-4 Agentes Ergonômicos 24


13- PPRA – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais 25


14- PCMSO – Programa de Controle Médico e de Saúde Ocupacional 27

15- Sinalização de Segurança 31


16- Prevençãoe Proteção contra Incêndio 33










Professor - NILTON F. REJOWSKI
e-mail: nilmetal@bol.com.br


1- BREVE HISTÓRICO


Desde os tempos em que o homem primitivo saía á caça de seu almoço, há a presença de risco nas atividades humanas.
Durante a idade média marcada pela produção artesanal das mercadorias consumidas, pelas sociedades, os artesões eramas grandes vitimas dos acidentes e doenças relacionados ao trabalho, fatalidades que ficavam apenas entre as paredes da oficina.


O primeiro livro, a abordar essa questão surgiu em 1556, quando Georgius Agrícola publicou o seu trabalho “De Re Metallica”, onde eram estudados diversos problemas relacionados á extração e á fundição do ouro e da prata, enfocando, inclusive, os acidentes detrabalho e as doenças mais comuns entre os mineiros.


A primeira monografia a abordar a relação do trabalho e doença foi publicada em 1567 por Parcelso, e apresentava vários métodos de trabalho e inúmeras substâncias manuseadas, dedicando especial atenção á intoxicações ocupacionais por mercúrio.


Contudo, apesar de consagrados trabalhos, o interesse pela proteção ao operário noseu ambiente de trabalho só ganharia maior ênfase no século XIX, com o impacto da Revolução Industrial, que fez surgir inventos mecânicos que permitiram multiplicar fantasticamente a produtividade do trabalho humano. No interior deste processo, uma nova classe de dirigentes passa a dedicar-se, e a aplicar capitais em forma de sistemas fabris de produção em massa, utilizando as novas tecnologiasque surgiam. Neste contexto, a questão da força de trabalho passa a merecer um novo enfoque, pois se torna possível e vantajosa a conversão de toda a mão de obra, inclusive a escrava, em força de trabalho.


No primeiro momento, são instaladas fábricas improvisadas em galpões, estábulos e velhos armazéns, principalmente nas grandes cidades, onde era abundante a mão-de-obra, constituídaessencialmente por mulheres e crianças. A situação dos trabalhadores era dramática, provocando indignação na opinião pública, o que acabou gerando inúmeras comissões de inquérito no Parlamento Inglês. Em 1802, foi aprovado a primeira lei de proteção aos trabalhadores, que estabelecia o limite de 12 horas de trabalho por dia, proibia o trabalho noturno e tornava obrigatório a ventilação no ambientede trabalho e a lavagem das paredes das fábricas duas vezes por ano.


Em 1833, como as condições de trabalho ainda se mostravam péssimas, o Parlamento Inglês promulgou a primeira norma realmente eficiente no campo da proteção ao trabalhador, fixando em nove anos a idade mínima para o trabalho, proibindo o trabalho noturno para menores de 18 anos e exigia exames médicos de todas as...
tracking img