Ciencias politicas parte do resumo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1079 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 22 de fevereiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Em seus trabalhos Rickert não enfatizava a diferença entre o método generalizador e o método individualizador, mais demonstrar a vida cultural não de forma genérica (superficial) mais por via especifica ( pelos caminhos da individualização).
E como toda cultura adere valores, a condição é empregar as formas de tratamento da realidade cultural.
Só a essa altura é que seperde a possibilidade de igualar lógica e a realidade estudada.
As disciplinas se separam em campos distintos, quanto á métodos empregados, na medida em que de um lado temos ciências valorativas, doutro ciência implicando valor, tornando-se decisivo o problema de valor para a teoria do método nas ciências.
A mesma realidade pode ser alvo de dois pontos de vistadiferentes: a realidade é a natureza quando a tomamos como referencia global e é historia se nos detivermos do especial e particular. No primeiro caso usa-se o método generalizador da ciência da natureza, no segundo o método individualizador da historia.
Segundo Rickert: “Com essa distinção possuímos o almejado principio formal da divisão das ciências e quem quiser logicamente chegar a umateoria cientifica há de tomar por base indispensável essa distinção formal”.
Lugares há na obra de Rickert onde suas idéias acerca do caráter das ciências da natureza são expostas com rara transparência e limpidez.
O cientista da natureza neutraliza-se perante os valores e as valorizações dos objetos. Toma-os livres o que neles há de individual.
A conclusãoque tomamos de autores que tão longe conduziram o debate metodológico para salvar as chamadas ciências do espírito ou da cultura é que daí por diante já se pode falar com mais segurança em dois mundos distintos: o da natureza (mundo da homogeneidade) e da sociedade( heterogeneidade).
No primeiro há leis naturais, fixas, permanentes, eternas, imutáveis; no segundo imperam asmudanças, as diferenciações e o desenvolvimento.
* Ciências Políticas e dificuldades terminológicas
O estudo da teoria das ciências pelas escolas neo-idealistas da Alemanha tem a importância de esclarecer as dificuldades metodológicas, quase intransponíveis.
Com esse estudo abriu-se o caminho para o reconhecimento dos obstáculos levantados ao investigador.
A ciênciapolítica é indiscutivelmente aquela onde as duvidas mais afligem os estudiosos, por decorrência de razões que a critica tem apontado a reflexão do investigador, levando alguns a duvidar se, se trata realmente de ciência.
Uma dessas duvidas com que se afrontam os estudiosos da matéria social, os quais, desde Summer Maine a Orlando, haviam assinalado o caráter movediço e oscilante dovocabulário político, das variações semânticas dos termos usados pelo cientista social de país para país, com as mesmas palavras valendo para os investigadores do mesmo tema, coisas inteiramente distintas, como por exemplo a palavra democracia que possui vários significados e ameaça entrar num caos sem saída os mais competentes e certos esforços de fixação conceitual.
Reunem-se naantiguidade até nossos dias, nos textos mais autorizados da reflexão filosófica e jurídica, vários conceitos que servem apenas para comprovar o quanto nos encontramos distantes da caracterização esperada.
Bastiat, com fina ironia, em meados do século XIX, oferecia 50.000 francos a quem lhe respondesse e lhe definisse o conceito de Estado.
Esse desanimo de Bastiat confirma com o queHegel dissera da ciência do Estado, tornando-a primeira das ciências, pela importância e pelas complicações que a envolvem.
O reitor Lowell de Harvard, citado pelo professor Carvalho, interveio no debate, para lembrar que falta a Ciência Politica um requisito indispensável para uma ciência moderna: a nomenclatura complexa para o homem educado, permitindo o leigo a ocupar-se, com a...
tracking img