Cidade barroca

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1141 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 7 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Cidade Barroca

Antonio Castelnou

Introdução
Entendida como um espaço político, centro poderoso de decisão e de grande importância estratégica, a cidade medievo-renascentista do século XVI sofreu intervenções que permitiram a abertura de ruas e praças, edificadas dentro dos princípios da simetria e da proporção.
Os ideais estéticos da RENASCENÇA defendiam o alargamento de vias, as quaisdeveriam confluir para construções monumentais, agora destacadas em praças ajardinadas, repletas de fontes esculturais, estátuas e colunatas.




Place des Vosges, antiga Place Royale (1609, Paris França)



Sendo concebida como ARTEFATO HUMANO, a cidade deveria ser a mais geométrica possível e seu crescimento ditado pela harmonia e pela Razão.



As partes da cidade teriam umaespécie de qualidade expressiva, tal como as partes do edifício, que manteriam um esquema de relações lógicas simples: de proporção e posição; de grandeza e medida.

Plaza Mayor (1729/55, Salamanca Espanha)

Alberto de Churriguera (1676-1740)

Em I Quattro Libri dell’Architettura (1570), ANDREA PALLADIO (1508-80) estabeleceu as premissas de concepção tanto da arquitetura como da cidade, asquais se baseavam em uma atitude de lógica e de produção mental, estabelecendo a relação das partes e a harmonia das suas grandezas, o que foi muito bem exemplificado através do projeto de suas villas.



Andrea Palladio (1508-80)
Villa Rotonda (1566/70, Vicenza)

Villa Emo (1558/64, Fansolo di Vedelago)



Palladio procurou reconduzir a cidade existente de VICENZA ao paradigma dacidade ideal, não através de intervenções radicais de reforma morfológica, mas pela coerência de imagens – ligadas aos diversos tipos de edifícios (teatro, palácio, basílica e igreja) – referidas a uma coerência de estados.

Palazzo della Razione Basílica Palladiana (1546/49, Vicenza)

A partir de PALLADIO, a relação cidade-objeto público passou a reger a ordem urbana – ou seja, a imagem da partepelo todo – e a instituição urbana – como o teatro, a igreja ou o palácio – tornou-se o elemento que determinava o “espaço-nó” da cidade, este entendido como lugar importante e simbólico (D’Alfonso & Samsa, 2006).
Palazzo Chiericati (1549/57, Vicenza)



Andrea Palladio (1508-80)

Urbanismo barroco


No século XVII até meados do XVIII, a arte BARROCA Piazza Navona promoveu um(1648/57, Roma) prolongamento em escala G. L. Bernini do Renascimento e, embora (1598-1680) negasse suas normas rígidas e proporções imutáveis, manteve a perspectiva como elemento primordial na concepção espacial e da valorização das vias e monumentos (Kostof, 1991).
Piazza del Popolo (1589/1680, Roma Itália)

Carlo Rainaldi (1611-91)

Palais de Versailles (1662/70)

L. Le Vau (1612-70) e J.Hardoin-Mansart (1646-1708)
Jardin (1668/85) de

André Le Nôtre (1613-1700)

A classe dirigente passou a ser formada pelos reis e suas cortes, por nobres ricos (burguesia) e pelo novo clero especializado da CONTRA-REFORMA.
Vista aérea



A CIDADE BARROCA teve que atender às aspirações estéticas aristocráticas pela grandiloqüência de suas formas – expressão de poder, de ordem e de controlesocial – e, ao mesmo tempo, aos interesses burgueses pelo seu aspecto socioeconômico (Goitia, 2003).
Vista geral



Place Stanilas
ant. Place Royale
(Séc. XVII, Nancy, França)

Roma (Itália) com Vaticano em 1o plano

De um lado, alguns centros urbanos europeus adquiriram as feições de verdadeiras cidades ABSOLUTISTAS (Paris, Roma e Viena) enquanto de outro, alguns centros importantesse transformam em cidades essencialmente LIBERAIS ou propriamente BURGUESAS (Amsterdã, Bruxelas e Londres).



Amsterdã (Holanda)

Vista geral de Viena (Áustria)

Place de la Concorde

Opondo-se ao Jardin des Tuileires classicismo, a EXPRESSÃO BARROCA era mais sensual e Place movimentada, sendo Vendôme composta por formas esculturais onduladas, composições exuberantes e traçados...
tracking img