Cesar

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1489 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 2 de julho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
faculdades esucri
CURSO DE ciências contábeis





CESAR DALMOLIM MACIEL








CONTABILIDADE INTERNACIONAL












CRICIÚMA
2012
CESAR DALMOLIM MACIEL
















CONTABILIDADE INTERNACIONAL









Trabalho apresentado à disciplina de Contabilidade Internacional, no Curso de Contabilidade daESUCRI, solicitado pelo professor Henrique.










CRICIÚMA
2012
SUMÁRIO


1 INTRODUÇÃO 3
1 ALTERAÇÕES NA LEI Nº 6.404/76 COM O ADVENTO DAS LEIS Nº 11.638/07 E 11.941/09 4
2 CPC 37 7
CONCLUSÃO 09
REFERÊNCIAS 10







1 INTRODUÇÃO



A convergência para os padrões contábeis internacionais têm se tornado tema relevante, comagenda definida para sua adesão em muitos países ao redor do mundo. No Brasil, coube ao Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) a responsabilidade de emitir pronunciamentos contábeis de acordo com o International Financial Reporting Standard (IFRS), conforme a Lei nº 6.404/76 (alterada pelas Leis 11.638/07 e 11.941/09). Cada documento emitido pelo CPC corresponde a uma norma internacional decontabilidade emitida pelo International Accounting Standards Board (IASB).
Este trabalho tem como objetivo apresentar as principais alterações da Lei nº 6.404/76 e apresentar aspectos da CPC 35, no que diz respeito à adequaçãodas normas contábeis brasileiras ao padrão contábil internacional.



ALTERAÇÕES NA LEI Nº 6.404/76 COM O ADVENTO DAS LEIS Nº 11.638/07 E 11.941/09No Brasil, a Lei nº 6.404/76, a chamada “Lei das SA” regulamentava, em seu Capítulo XV, aspectos fundamentais da contabilidade, como por exemplo, quais as Demonstrações Contábeis obrigatórias, os seus formatos, entre outros.
Porém, com o passar dos tempos, as Lei nº 11.638 e 11.941/09 trouxe algumas mudanças que alteraram a Lei nº 6.404/76, com o foco nas estruturas demonstraçõescontábil. As principais alterações ocorridas em: Balanço patrimonial; Demonstração do Resultado do exercício (DRE); Demonstração de Origem e Aplicações de Recursos (DOAR); Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC); Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido (DMPL) e Demonstração e Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA), conforme se verifica a seguir:Essas novas leis alteraram e revogaram dispositivos da Lei n° 6.404/76 e trouxeram grande evolução nas práticas contábeis no sentido da convergência internacional. Entre as suas principais mudanças, citam-se:




Mudanças no Ativo: De acordo com legislações anteriores, o Ativo era dividido em ativo circulante, ativo realizável a longo prazo e ativo permanente, o qual erasubdividido em investimentos, ativo imobilizado e ativo diferido. Com a implementação da lei n° 11.638/07 e, seu posterior aperfeiçoamento com a lei n° 11.941/09, o Ativo passou a ser dividido em ativo circulante e ativo não-circulante, o qual é composto por ativo realizável a longo prazo, investimentos, imobilizado e intangível. Com as novas leis vigentes, os critérios de classificação das contas doAtivo permaneceram os mesmos, exceto na conta ativo imobilizado.


Mudanças no Passivo: De acordo com a Lei n° 6.404/76 as contas do passivo eram classificadas em passivo circulante, passivo exigível a longo prazo e resultados de exercícios futuros. Algumas mudanças ocorreram com a Lei 11.941/09 quanto à essa classificação, e o passivo passou a ser dividido em passivo circulante epassivo não-circulante. Assim, o passivo exigível a longo prazo foi substituído pelo passivo não-circulante e o resultado de exercícios futuros foi revogado.
Os critérios de avaliação do Passivo também sofreram mudanças com a lei 11.941/09. Desse modo, foi vedada a disposição que relatava que as obrigações sujeitas a correção monetária seriam atualizadas até a data do balanço, adicionando...
tracking img