Causos (folclore)

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 4 (919 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 28 de agosto de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
O MENINO E A BICICLETA

Tem um causo que envolve um querido padre lá da minha terra, o Padre Mário. Italiano de um carisma sem par, chegando até cativar meu velho pai, o sêo Amadeu, que tinhamania de ser ateu.
Mas, vamos ao dito causo, começando por dizer que havia um menino de uns 10 anos de idade que era apaixonado por sua bicicleta colorida. E, naquele fatídico dia, o menino rodava nopátio que existia bem à frente da matriz da cidade. Fazia visagem, andava numa roda só, empinava, rodopiava. Enfim: fazia miséria com a dita cuja da bicicleta, pra alegria de quem passava por ali.
Eisque de repente surge, não se sabe donde, um carro de praça, atinge o menino em cheio, atirando-o longe, e passa com o tal carro por cima da querida bicicletinha dele.
Graças a Deus o menino nãolevou mais do que um galo na testa e um arranhãozinho de nada numa das pernas. Mas a tal bicicletinha colorida, naquele momento já era. As rodas fizeram um oito, o guidão entortou, os raios das rodinhasquebraram-se todos... Enfim, como eu disse: já era.
O menino, ao verificar o estrago na sua querida bicicleta, sentou-se na escadaria da igreja e pôs-se a chorar alto e a resmungar desesperado.___Ai meu Deus do céu... eu perdi ela...que que eu faço agora? Eu gostava tanto dela. Ai meu Deus do céu! E o menino chorava, chorava.
Nesse momento, eis que um enterro surge de dentro da igreja. Eraum enterro de uma velhinha... bem velhinha mesmo.Coisa de uns 90 e tantos janeiros, como lá diz o outro.E o dito enterro vinha acompanhado por bastante gente, inclusive pelo padre Mário, que é a figuracarismática e bondosa de quem eu falei no começo deste causo.
Ao passar pelo garotinho que chorava desesperado e lamentava sua perda (“... ai...ai eu perdi ela...” etc e tal), o padre Mário achouque devia consolar aquele menininho, pois relacionou a velhinha morta com o choro do menino, pensando lá com ele que talvez fosse uma avozinha querida.O padre disse:


___Não chore, não,...
tracking img