Caso rhodia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2383 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 13 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
CASO RHODIA
1. Em 1965, a empresa Clorogil (subsidiária da multinacional francesa PROGIL) inicia em Cubatão as operações de uma fábrica que produz os pesticidas organoclorados denominados pentaclorofenol e pentaclorofenato de sódio, ambos conhecidos popularmente como pó da China.
2. A PROGIL funde-se ao Grupo estatal também francês Rhône-Poulenc em diferentes fases entre 1969 e 1975(nominalmente em 1972). Em 1982 a Rhône-Poulenc é ainda um sólido grupo estatal, porém em 1986 François Mitterrand inicia o processo de privatização da empresa, finalizado somente em 1993.
3. Em 1974, a CLOROGIL S.A. - Indústrias Químicas, ainda tendo como acionista a PROGIL que, por sua vez, agora pertence ao Grupo Rhône-Poulenc, representada no Brasil pela Rhodia S.A., começa a operar a unidade defabricação de solventes clorados em Cubatão, a saber: o tetracloreto de carbono (CCl4), substância utilizada durante algum tempo em extintores de incêndios, posteriormente proibido devido aos produtos tóxicos mais perigosos que eram formados durante o combate ao incêndio. Também largamente utilizado como matéria prima na fabricação do gás Freon, conhecido por agredir e destruir a camada de ozônio,bloqueadora do raio solar ultravioleta, que tem freqüência de luz que pode causar o câncer de pele, enfermidade que infelizmente está em grande ascendência entre as populações, onde segundo os cientistas, a camada foi mais afetada. E o tetracloroetileno (C2Cl4), comercialmente conhecido como percloroetileno potente desengraxante de metais, principalmente na indústria automobilística e agente na lavagemde roupa a seco em lavanderias. Recentemente, a ACPO se manifestou sobre a consulta pública realizada pela ANVISA, acerca da proibição do uso do percloroetileno em lavanderias. Esta unidade de solventes clorados da Rhodia era denominada “TETRAPER”.
Desta fabricação, que operou entre os anos de 1974 e 1993, gerou algo estimado em torno de 20 mil toneladas de resíduos tóxicos compostos de C6Cl6,C4Cl6, C2Cl6, C2Cl4 etc., que foram totalmente dispostos sob o solo ou enterrados. Esta disposição irregular de resíduos, direto no solo leva a se estimar que exista ainda algo superior a 300 mil toneladas de solo contaminado. Os despejos podem ser divididos em três grandes fases, a saber:
      1ª) Disposição de resíduos tóxicos dentro da fábrica, eram enterrados no morro ao lado dos tanques deestocagem de propeno e na área onde se encontram edificadas as instalações do SINCRE – Sistema de Incineração de Resíduos, nestes locais foram dispostos em cavas abertas até o ano de 1976;
      2ª) A partir do ano de 1977, até aproximadamente 1981, a empresa já sob controle total do Grupo Rhône- Poulenc, este por sua vez, ainda sob a tutela do Governo Francês, através da subsidiária Rhodia S. A.,começa recolher os resíduos tóxicos em caçambas e despejar no meio ambiente a céu aberto, em diversos pontos fora da fábrica. Foram encontrados resíduos tóxicos desde a cidade de Cubatão até a cidade de Itanhaém cerca de 80 Km do ponto de origem, onde era oferecido como adubo, e até hoje pairam dúvidas sobre a existência de outros lixões clandestinos da Rhodia na Baixada Santista, se concretizandocomo um dos maiores crimes ambientais com este tipo de agente tóxico do nosso planeta.
      3ª) A partir de 1982 até meados de 1993 os resíduos passaram a ser drenados em tambores de 300 Kg e estocados sobre o mesmo morro de antes, ao lado da estocagem de propeno, estes tambores com o tempo se oxidavam totalmente e o resíduo escorria integralmente para o solo. Sendo que a partir de 1988, ostambores provenientes da produção do TETRAPER, passaram a ser diretamente triturados e incinerados.
Ressalta-se que estas substâncias ainda hoje, em 2004, que estão enterradas na fábrica, iniciaram sua degradação dando lugar a outras ainda mais tóxicas, como por exemplo: o cloreto de vinila.
4. Em 1976, quando a Rhodia assume definitivamente a razão social de ambas as fábricas, e diante da falta...
tracking img