Cartas

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 24 (5853 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 22 de abril de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Cartas d´amor, Eça de Queirós
Fonte:
QUEIRÓS, Eça de. Cartas D'Amor - O Efêmero Feminino. Rio de Janeiro: Garamond, 2001.
Texto proveniente de:
A Biblioteca Virtual do Estudante Brasileiro
A Escola do Futuro da Universidade de São Paulo
Permitido o uso apenas para fins educacionais.
Texto-base digitalizado por:
Celia Terezinha Zago
Este material pode ser redistribuído livremente, desdeque não seja alterado, e que as
informações acima sejam mantidas. Para maiores informações, escreva para
.
Estamos em busca de patrocinadores e voluntários para nos ajudar a manter este projeto. Se
você quer ajudar de alguma forma, mande um e-mail para ou


CARTAS D’AMOR
Eça de Queirós

Primeira Carta a Madame de Jouarre

Minha querida madrinha.

Ontem, em casa de Madame de Tressan,quando passei, levando para a ceia Libuska, estava sentada,
conversando consigo, por debaixo do atroz retrato da marechala de Mouy, uma mulher loura, de testa alta
e clara, que me seduziu logo, talvez por lhe pressentir, apesar de tão indolentemente enterrada num divã,
uma rara graça no andar, graça altiva e ligeira de deusa e de ave. Bem diferente da nossa sapiente
Libuska, que se move com oesplêndido peso de uma estátua! E do interesse por esse outro passo,
possivelmente alado e diânico (de Diana), provém estas gratujas.
Quem era? Suponho que nos chegou do fundo da província, de algum velho castelo do Anjou com
erva nos fossos, porque me não lembro de Ter encontrado em Paris aqueles cabelos fabulosamente louros
como o sol de Londres em Dezembro – nem aqueles ombros decaídos,dolentes, angélicos, imitados de
uma madona de Mantegna, e inteiramente desusados em França desde o reinado de Carlos X, do “Lírio no
Vale” e dos corações incompreendidos. Não admirei com igual fervor o vestido preto, onde reinavam
coisas escandalosamente amarelas. Mas os braços eram perfeitos; e nas pestanas, quando as baixava,
parecia pender um romance triste. Deu-me assim a impressão, aocomeço, de ser uma elegíaca do tempo
de Chateaubriand. Nos olhos porém surpreendi-lhe depois uma faísca de vivacidade sensível – que a
datava do século XVIII. Dirá minha madrinha: “Como pude eu abranger tanto, ao passar, com Libuska ao
lado fiscalizando?” É que voltei. Voltei, e da ombreira da porta readmirei os ombros de velas por trás,
entre as orquídeas, nimbava de ouro; e sobretudo o sutilencanto dos olhos – dos olhos finos e lânguidos...
Olhos finos e lânguidos. É a primeira expressão em que hoje apanho decentemente a realidade.
Por que é que não me adiantei, e não pedi uma “ apresentação?” Nem sei. Talvez o requinte em
retardar, que fazia com que La Fontaine, dirigindo-se mesmo para a felicidade, tomasse sempre o
caminho mais longo. Sabe o que dava tanta sedução ao Palácio dasFadas, nos tempos do rei Artur? Não
sabe. Resultados de não ler Tennyson... Pois era a imensidade de anos que levava a chegar lá, através de
jardins encantados, onde cada recanto de bosque oferecia a emoção inesperada de um flirt, de uma

batalha, ou de um banquete... (Com que mórbida propensão acordei hoje para o estilo asiático!) O fato é
que, depois da contemplação junto à ombreira, volteia cear ao pé da minha radiante tirana. Mas por entre
a banal sandwich de foie-gras, e um copo de Tokay que Voltaire, já velho, se recordava de ter bebido em
casa de Madame de Etioles (os vinhos dos Tressans descendem em linha varonil dos venenos de
Brinvilliers), vi, constantemente vi, os olhos finos e lânguidos. Não há senão o homem, entre os animais,
para misturar a languidez de um olharfino a fatias de foie-gras. Não o faria decerto um cão de boa raça.
Mas seríamos nós desejados pelo “efêmero feminino” se não fosse esta providencial brutalidade? Só a
porção da matéria que há no homem faz com que as mulheres se resignem à incorrigível porção de ideal,
que nele há também – para eterna perturbação do mundo. O que mais prejudicou Petrarca aos olhos de
Laura – foram os “Sonetos”....
tracking img