Caracterização das bacias hidrográficas do município de são carlos (sp) – micro-bacia hidrográfica do ribeirão das guabirobas e micro-bacia hidrográfica do ribeirão do pântano e associação com a conservação biológica.

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 13 (3047 palavras )
  • Download(s) : 1
  • Publicado : 21 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Caracterização das Bacias Hidrográficas do Município de São Carlos (SP) – Micro-bacia Hidrográfica do Ribeirão das Guabirobas e Micro-bacia Hidrográfica do Ribeirão do Pântano e Associação com a Conservação Biológica.

Julio César Paschoal Teixeira
Mauricio Campagnolli
Rodrigo Batista de Freitas

Estudo voltado à delimitação e usos
diretos dentro da área deAPP.
Estudo de toda vegetação nativa
voltado para conservação in-situ da
biodiversidade.

Prof. Dra. Adriana Catojo.
Prof. Dr Salatiel Pires.

São Carlos2010

1- INTRODUÇÃO

As bacias hidrográficas são um conjunto de terras drenadas por um rio e seus afluentes, formada nas regiões mais altas do relevo por divisores de água, onde as águas das chuvas, ou escoam superficialmente formando os riachos e rios, ou infiltram no solo para formação de nascentes e do lençol freático. (Barrella2001). As bacias hidrográficas carregam então, um grande valor ecológico e econômico para a região, visto que ela é quem controla o curso da água pelas porções de terra da região e a sua possível alteração pode comprometer a disponibilidade do recurso.

A Política Nacional de Recursos Hídricos, instituída pela Lei nº 9.433, de 8 de janeiro de 1997, incorpora princípios e normas para agestão de recursos hídricos adotando a definição de bacias hidrográficas como unidade de estudo e gestão. Assim, é de grande importância para gestores e pesquisadores a compreensão do conceito de bacia hidrográfica e de suas subdivisões para possíveis aplicações de proteção e conservação da biodiversidade ao redor dos corpos hídricos e seus respectivos serviços fornecidos.

No Brasil, aopção política pelo modelo exportador, a partir da década de 70, forçou a busca de aumento da eficiência produtiva das áreas ocupadas e a incorporação de novas áreas (expansão da fronteira agrícola), visando oferecer alimentos em quantidade suficiente para a população urbana, bem como produzir commodities necessárias à geração das divisas requeridas pelo modelo macroeconômico adotado no País(Embrapa, 2003). Essa expansão da fronteira agrícolas acabou, alem de comprometer a vegetação nativa nacional, acabou por entrar dentro das áreas determinadas de APP (Áreas de Preservação Permanente). As APPs são determinadas pelo terceiro artigo compreendido na Resolução Conama 303/2002. O terceiro artigo compreende que todo corpo hídrico é classificado pelo seu tamanho, forma, proximidade a nascentes,dentre todas as outras características passiveis de classificação, para que assim, seja determinada sua área destinada a proteção permanente ao seu entorno para que haja a manutenção do recurso natural devido aos processos ecológicos naturais da mata ciliar e garantir por consequência o afastamento dessas áreas a quaisquer intervenções de cunho antrópico.

Durante as etapas doplanejamento ambiental estratégico de uma área de modo que seja garantida a conservação da biodiversidade por conceitos e aplicações das áreas do conhecimento cientifico especifico da Biologia da Conservação e da Ecologia da Paisagem de modo a garantir que todos os métodos de planejamento sejam coerentes ao comportamento dos organismos em seus habitat natural. Dentro dessas etapas do planejamento ambientaluma das ferramentas politicas de proteção aos recursos naturais mais importantes a serem levadas em consideração é a legislação. A legislação voltada a proteção de áreas naturais a nível nacional garante que haja essa conservação da biodiversidade principalmente em áreas ao entorno dos rios, como já determinadas, as APPs.

Durante o estudo das bacias hidrográficas ribeirão das...
tracking img