Características essenciais o kula capítulo iii

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2465 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 17 de outubro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Capítulo III
Características essenciais o kula

Introdução do capítulo:

O texto relata a definição do kula de forma geral analisando todas as atividades nele presentes. As transações, os artigos utilizados no kula, as regras e características, entre outras que pretendo da uma simples e completa explanação. O texto ele édivido em seis sub capítulos com o objetivo de melhorar o entendimento do leitor, e cada capítulo descreve, respectivamente, o significado do kula abrangendo algumas características; atribuição da definição de comércio, diferindo o comércio praticado no kula (de caráter primitivo) e o comércio primitivo em geral; descrição detalhada dos objetos utilizados no kula; explicação do funcionamento datransação dos objetos e a relação de parceria; abrange dois princípios importantes do kula ressaltando a importância da equivalência dos objetos numa transação; relata atividades secundárias pondo a ação do kula como atividade principal.
Depois de ter feito uma breve explanação do que segue, posso agora explorar o texto em todos os aspectos descritos anteriormente.I
O Kula é uma forma de troca de caráter tribal ocorre em comunidades que se dispõem alinhadas formando um circulo fechado, nesse circulo acontece a circulação de dois artigos passados em sentidos opostos:
• Os soulava: que são colares feitos de conchas vermelhas e que giram no sentido horário;
• E os mwali: que são braceletesde conchas brancas e que se movimentam no sentido oposto (anti-horário);
Certas ações do kula são acompanhadas de cerimônias públicas e rituais mágicos.
E como o Kula ocorre?
O Kula, como já mencionado, é uma troca (dos artigos soulava e mwali) praticada por comunidades que se dispõem em uma linha circular, essa troca é feita por um restrito número de homens dessas comunidades, cada umrecebe um soulava ou mwali retém por um tempo e depois passa para outro parceiro seu artigo e recebe o artigo oposto em troca.Esse ato se repete permanentemente, não existe um período definido para o término, e nenhum dos praticantes pode permanecer com um artigo para si , ele sempre será submetido a troca, ou sair do kula, daí decorre o principio de que uma vez no kula, sempre no kula.
Okula caracteriza-se por ser uma instituição ampla e bastante complexa.Essa afirmação é explicada pelo fato de que o kula apresenta além das trocas dos artigos dos colares e braceletes, diversas atividades que se inter-relacionam e são independentes formando uma extensa instituição de múltiplos objetivos. Tais atividades são indispensáveis à economia do kula, e são exemplificados pela construção decanoas para a navegação em alto mar, certos tipos de cerimônias mortuárias de grande rompa e tábuas preparatórias.
O kula resultou-se dos muitos esforços dos povos primitivos, dos selvagens, estes por sua vez não lhes atribuíam leis, nem objetivos. Eles nem se quer tinham conhecimento de sua estrutura social. Diferentes dos nativos que tinham conhecimento sobre as regras e seus objetivos, maseles não têm consciência da definição concreta do kula como uma instituição tão ampla e bem organizada. O nativo não tem uma visão complexa do ato que pratica, eles não conseguem ver como um observador.
Isto é, o nativo ele pratica, busca seus objetivos, tem conhecimento de suas ações, mas não possui uma visão complexa do ato que pratica.
Essa função de observação e entendimento dos detalhes éatribuída ao etnógrafo, que necessita buscar o significado das atividades, fazer a distinção das coisas importantes das que não são. O etnógrafo deve descobrir leis, regras de todas as transações, cabe a ele formular o esquema total da instituição.

II
Nessa segunda parte o autor coloca em questão a definição de...
tracking img