Capitulo 6 - convite a filosofia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 20 (4980 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 11 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Certas religiões acreditam que o corpo é habitado por uma entidade – espírito,
alma, sombra imaterial, sopro -, que será imortal se os decretos divinos e os
rituais tiverem sido respeitados pelo fiel. Por acreditarem firmemente numa outra
vida – que pode ser imediata, após a morte do corpo, ou pode exigir
reencarnações purificadoras até alçar-se à imortalidade -, as religiões possuemritos funerários, encarregados de preparar e garantir a entrada do morto na outra
vida.
Em algumas religiões, como na egípcia e na grega, a perfeita preservação do
corpo morto, isto é, de sua imagem, era essencial para que fosse reconhecido
pelos deuses no reino dos mortos e recebesse a imortalidade. Por isso, além dos
ritos funerários, os cemitérios, na maioria das religiões eparticularmente nas
africanas, indígenas e antigas ocidentais, eram lugares sagrados, campos santos,
nos quais somente alguns, e sob certas condições, podiam penetrar.
Nas religiões do encantamento, como a grega, as africanas e as indígenas, a
morte é concebida de diversas maneiras, mas em todas elas o morto fica
encantado, isto é, torna-se algo mágico. Numa delas, o morto deixa seu corpo
para entrarnum outro e permanecer no mundo, sob formas variadas; ou deixa seu
corpo e seu espírito permanecer no mundo, agitando os ventos, as águas, o fogo,
ensinando canto aos pássaros, protegendo as crianças, ensinando os mais velhos,
escondendo e achando coisas. Na outra, o morto tem sua imagem ou seu espírito
levado ao mundo divino, ali desfrutando das delícias de uma vida perenementeperfeita e bela; se, porém, suas faltas terrenas forem tantas e tais que não pôde ser
perdoado, sua imagem ou espírito vagará eternamente pelas trevas, sem repouso
e sem descanso. O mesmo lhe acontecerá se os rituais fúnebres não puderem ser
realizados ou se tiverem sido realizados com falhas. Esse perambular pelas trevas
não existe nas religiões de reencarnação, porque, em lugar dessa punição, oespírito deverá ter tantas vidas e sob tantas formas quantas necessárias à sua
purificação, até que possa participar da felicidade perene.
Nas religiões da salvação, como é o caso do judaísmo, do cristianismo e do
islamismo, a felicidade perene não é apenas individual, mas também coletiva.
São religiões em que a divindade promete perdoar a falta originária, enviando um
salvador, que,sacrificando-se pelos humanos, garante-lhes a imortalidade e a
reconciliação com Deus.
Como a falta ou queda originária atingiu a todos os humanos, o perdão divino e a
redenção decorrem de uma decisão divina, que deverá atingir a todos os
humanos, se acreditarem e respeitarem a lei divina escrita nos textos
sagrados e se guardarem a esperança na promessa de salvação que lhes foi
feita porDeus. Nesse tipo de religião, a obra de salvação é realizada por um
enviado de Deus – messias, em hebraico; cristo, em grego. As religiões da
salvação são messiânicas e coletivas. Um povo – povo de Deus – será salvo pela
lei e pelo enviado divino.

Milenarismo
O milenarismo é próprio das religiões da salvação. É a esperança dafelicidade
perene no mundo, quando, após sofrimentos profundos, os seres forem
regenerados, purificados e libertados pela divindade.
O termo milenarismo provém de uma crença popular cristã, embora não seja
exclusivo da religião cristã. Baseados em profecias dos profetas Daniel e Isaías,
no Apocalipse de são João, e nas predições de magos e sibilas, grupos populares
cristãos, durante aIdade Média, esperavam que Cristo voltasse pela segunda vez,
combatesse os males – a peste, a fome, a guerra e a morte -, vencesse o demônio,
encarnado num governante perverso, o Anti-Cristo, e instituísse o reino de Deus
na Terra, com a duração de mil anos de abundância, justiça e felicidade. Ao fim
de mil anos, haveria a ressurreição dos mortos, o Juízo Final e o fim do mundo
terreno....
tracking img