Capitalismo nos dias atuais

O Socialismo na Modernidade

"O caminho que conduz à liberdade só pode ser a própria liberdade"

ERRICO MALATESTA

Em 1917 ocorreu a primeira grande revolução socialista bem sucedida no mundo, então em fins da Primeira Grande Guerra, uma guerra - como todas as outras - suja, eivada de rapinagens e interesses mesquinhos. Ali disputava-se territórios roubados a outros povos. De 1917 a1924, a fim de consolidar as conquistas revolucionárias, Vladimir Ilitch Ulianov, o Lênin, toma algumas medidas militares, políticas e econômicas contando para tanto com o apoio e o auxílio direto de personalidades díspares como Jossip Djugashvili, o Stálin e Lev Davidovitch Bronstein, o Trotski.
Com a morte de Lênin em 1924 abre-se a crise sucessória no Kremlin com Trotski, comandante em chefe doExército Vermelho, responsável pelo sucesso da Revolução no campo externo de um lado, pregando a "revolução permanente", informando que só se poderá chegar à sociedade comunista, sem classes, quando todo o mundo passar pela etapa do socialismo, da economia planificada, estatal. De outro lado, Jossip Djugashvili, Stálin, encarregado do combate interno à contra-revolução, arquiteto da temívelTcheká, mais tarde KGB, pregando a "consolidação do socialismo num só país". Vence Stálin, acreditam alguns historiadores que menos pelo brilhantismo da defesa de suas propostas, mais pela intimidação de quem tinha acesso a tantas informações sobre tantos detalhes existenciais de tantas pessoas...

Uma vez no poder, Stálin inicia a perseguição política a seus desafetos e adversários, começando porTrotski que se transforma numa "pessoa não existente". Expulso da então União Soviética refugia-se inicialmente na Turquia enquanto seus compatriotas são terminantemente proibidos de mencionar sequer o fato de sua existência. Pregando e escrevendo sempre sobre a "revolução permanente", acaba sendo expulso também da Turquia passando a refugiar-se na França, sendo de lá expulso também por suapostura radical, coerente, intransigente. Em meados da década de 30 consegue refúgio no México, então governado por Lázaro Cárdenas (aquele que disse: "Pobre do México, tão longe de Deus, tão perto dos Estados Unidos..."), onde funda a IV Internacional para contrapor-se à III Internacional stalinista.

Trotski é assassinado no México por ordem expressa de Stálin, mas a IV Internacional segue vivaaté hoje no mundo. As idéias de "revolução permanente", de socialismo internacional são, no Brasil, defendidas pelos trotskistas do Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado, o PSTU. Em tempos de neoliberalismo, globalização, desemprego e desespero ocorre uma retração no movimento operário, retrocesso de resto dialeticamente previsível e temporário. "O choro pode durar uma noite, mas aalegria vem pela manhã", diz-nos a Escritura.

Há no Brasil também admiradores de Stálin e do modelo stalinista, majoritariamente representados no PC do B. Cisão do "antigo" PC do B em 1956 quando Stalin morreu e Nikita Kruchóv denunciou-lhe os crimes e o culto à personalidade, que centralizava. Seguindo obediente a linha do Kremlin, o PCB, hoje PPS (aquele do Roberto Freire e do Ciro Gomes),promove no Brasil uma série de debates acerca da desestalinização do partido. A ala formada dentro do stalinismo abre dissidência criando o PC do B ou, como preferem dizer os próprios, "mantêm" o nome do partido contra o "revisionismo" do antigo PCB.
Ainda no Brasil, de maneira autônoma, independente, surge o Partido dos Trabalhadores, corajosamente lutando contra o regime de exceção implantado naAmérica Latina por ordem dos EUA na década de 60. Interesses trabalhistas localizados no ABCD paulista ampliam-se desde o nascimento do PT em 1980 a ponto de o partido lançar seu mais expressivo dirigente, o Lula, candidato à presidência da república em 1989, quando foi derrotado por Collor de Mello, uma vez haver o candidato patronal contado com o apoio maciço dos meios de comunicação, aporte...
tracking img