Capitalismo na amazônia: politica de ocupação no acre durante a década de 1970.

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 20 (4796 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 23 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
CAPITALISMO NA AMAZÔNIA: POLITICA DE OCUPAÇÃO NO ACRE DURANTE A DÉCADA DE 1970.

Ávila de França Lima – UFAC - avilafl@hotmail.com

RESUMO
Este trabalho consiste em uma análise sobre as questões que envolvem o processo de ocupação de terras no Acre e principalmente na BR-317 AC/AM, a partir dos anos de 1970. Período em que uma ideologia de Segurança Nacional foi utilizada parajustificar a ocupação dos “vazios demográficos” da Amazônia, incentivando a ocupação por colonos ou Empresas Colonizadoras. Nesse processo, inúmeros migrantes vindos especialmente do Centro-Sul do país, influenciados pela política de ocupação e por problemas locais de moradia causados, em especial, pela a inundação das áreas afetadas na construção da Itaipu Binacional, adentraram a floresta amazônica embusca de uma nova oportunidade de reconstruir suas vidas. A migração para uma terra desconhecia tornou necessário que o colono se readaptasse ao novo território depois e as novas transformações para garantir sua existência. O imaginário criado pelo governo Federal e Estadual na pessoa do então Governador Wanderley Dantas (1971-1974), sobre a Amazônia e o Acre, sequer se comparava com a realsituação a ser enfrentada. A integração nacional promovida pelo PIN e a esperança de produzir no Acre trouxe muitos benefício em relação ao contato do Acre com o Brasil, mas trouxe também o desfio da adaptação. Diante das questões apontadas, este trabalho se insere numa perspectiva de analisar o processo de reorganização do espaço amazônico em meio às transformações políticas e econômicas ocorridas noBrasil a partir da década de 1970.
Palavras-Chave: Ditadura Militar, Desenvolvimento, Amazônia, Migração, Paranaenses.

1.1 Ocupação da Amazônia Acreana Durante a Ditadura Militar

Durante o período da ditadura militar (1964-1985), várias medidas foram tomadas para garantir o controle sobre a nação, tanto no que diz respeito à expansão econômica e territorial, quanto à dimensão político emilitar. Uma dessas medidas se concentrava na ocupação da Amazônia como uma meta prioritária, intervindo assim na economia brasileira e de certa forma, favorecendo também uma progressiva concentração de renda para uma minoria.
Todos os incentivos e financiamentos foram coordenados pela Superintendência para o Desenvolvimento da Amazônia – SUDAM, utilizando ainda o apoio do Banco da Amazônia - BASA,que foi criado justamente com esse objetivo de movimentação de créditos. A presença das multinacionais, principalmente no governo do General Emílio Garrastazu Médici (1969-1974), exigiu obras de infra-estrutura, para escoamento de produção e movimentação do comercio. Surgem então, algumas estradas, usinas e rodovias.
O plano de “ocupação” da Amazônia constituía, no entanto, a terceira fase doplano militar do General Golbery, que em momentos de Guerra Fria, ainda temia o perigo vermelho do comunismo no Brasil e buscava promover uma maior interação com o capitalismo norte-americano. Tal plano tinha, como primeiro passo, integrar a região Sul e a região Nordeste do Brasil ao centro do país; e como segundo passo, após a ligação entre essas regiões, se iniciaria os processos de colonização emdireção ao noroeste e por fim à região Amazônica.
A Amazônia passa a fazer parte de um novo cenário em que se transforma o país e dá espaço às estradas, pauta esta que já havia se configurado ainda no governo de Getúlio Vargas, três décadas antes da ditadura militar, como nos mostra Otávio Velho (1979) em um trecho do discurso de Getúlio em 1940, onde o presidente já demonstrava seu interesse emocupar a Amazônia bem antes dos militares incluírem esse assunto em seu plano de governo e integração.
No discurso do então presidente Getúlio Vargas, fica claro o seu interesse de ocupação do que chama de “vácuos demográficos do nosso território”, com o intuito de promover o crescimento do país dentro de suas próprias fronteiras:
Precisamos promover essa arrancada, sob todos os aspectos e...
tracking img