Capital ficticio

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 2 (304 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 5 de dezembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
A obra de Rosa Maria Marques e Paulo Nakatani é divida em 3 partes que tratam do capital em geral e o capital fictício, a crise de 29 e a crise contemporânea. No livro são abordadasquestões de como a economia mundial entra em crise e de que maneira a crise financeira é traduzida em produção desemprego, comparando-a com a crise de 29. Outrossim, aborda de que maneirao investimento o emprego e as relações trabalhistas eram determinados pelos traços característicos da economia mundial com a abertura dos anos 80.
A primeiro momento, a origem docapital é dada no desenvolvimento das forças produtivas e das relações sociais. Entretanto, os conceitos de Marx sobre valor são abordados para compreender de forma mais completa essaorigem. Sendo assim, toda mercadoria é unidade de valor de uso e valor de troca, fruto do trabalho socialmente necessário e trabalho abstrato, capaz de atender as necessidades dos homens.O dinheiro passa a ser o equivalente de todas as mercadorias na forma de moeda, isto é, “a forma intercambiável imediata e universal”, num processo chamado de fetichismo da moeda. Dessaforma, o processo de trocas se torna cada vez mais social e o valor das mercadorias agora é dado por um preço (e não na forma de equivalentes), podendo ser as mercadoriascomercializadas no mercado.
O capital é originado no momento em que o trabalhador é contratado pelo capitalista e assim pode usufruir seu valor de uso, pois nesse processo cria-se a mais valia,isto é, a diferença entre o valor agregado à produção e a produção necessária para atender as necessidades, um excedente apropriado pelo capitalista contratante da mão de obra. E é comdinheiro (D) que se compram matérias-primas, máquinas e equipamento e mão-de-obra para o processo de produção de mercadorias (M), que são vendidas gerando montante de dinheiro maior (D’).
tracking img