Cap 5 - linguagem

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1096 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 17 de abril de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
[pic]
[pic]
FATEC BARUERI
FACULDADE DE TECNOLOGIA DO ESTADO DE SÃO PAULO








COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO
QUESTÕES RELATIVAS AO LIVRO: PRÁTICA DE TEXTO PARA ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS. CAPÍTULO 5.












BARUERI, SP, BRASIL.
ABRIL 2012


1) O que você encontrou errado no primeiro parágrafo?
• No primeiro parágrafo o texto diz “Fazemmuitos anos...”, onde o correto seria ‘Faz muitos anos...” O verbo fazer não tem plural quando faz parte de oração que dá idéia de tempo.
• Há uma redundância em “Fazem muitos anos que...” e “Há muitos anos atrás...”


2) Você concorda com o diagnóstico da crise? O que você acha da punição proposta por Luiz Edgard de Andrade? O anúncio “Vem pra caixa você também” é simplesmente fruto daignorância?
Se concordarmos que estamos em meio a uma crise, estaríamos afirmando que a variação da língua é uma forma errônea, o que não é verdade. Estamos apenas adequando o modo de nos expressarmos ao nosso meio mais próximo.

A punição proposta é totalmente exagerada, uma vez que pensando dessa forma, abrimos margem para o preconceito existente atualmente quanto à variação da língua.

O anúnciofoi feito para chamar a atenção da população, de um público em potencial, onde imaginamos que a forma correta da conjugação (Venha) não ficaria sonoramente harmoniosa. No anúncio, há uma voz ao término da frase, que repete o verbo: Vem pra caixa você também! Vem! Onde não caberia: Venha pra caixa você também! Venha!


3) O que você acha da expressão “Oralidade Viciosa”? O célebre verso deDrummond - Tinha uma pedra no meio do caminho- está errado?
A expressão “Oralidade Viciosa” nos remete a ideia de vícios que cometemos ao falar e que se torna comum ao escrever também. Não considerarmos que o verso de Drummond esteja errado, uma vez que ele consegue transmitir a ideia do que se quer dizer: que em seu caminho havia uma pedra. Habitualmente utilizamos expressões como a de Drummond, quede tão utilizadas, passaram também a serem escritas.


4) Você concorda com a opinião de Izidoro Blikstein?
Sim concordo em parte pois o jornalista tem acesso a um grande numero de pessoas e conseguiria divulgar uma maior variedade de palavras a quais não estamos habituados, mas não usando a função poética pois essa muita das vezes também não é compreendida.

5) Mino Carta, Ricardo Setti eCarlos Eduardo Lins e Silva estão falando da mesma coisa? Em que diferem?
Sim estão falando da mesma coisa, diferem na causa da língua estar sendo deturpada, para mino carta tudo isso e feito propositadamente, visando atingir um público alvo.
Para Ricardo Setti a um modismo apregoando e exaltando a linguagem popular.
Já para Carlos Eduardo Lins e Silva a origem de tudo está no ensino básicodeficiente.


6) Sejam quais forem os recursos que se utilize na tarefa de aperfeiçoar o texto... Esse trecho obedece as normas da língua padrão?
Não, pois sejam e o verbo de ligação ser, que deve unir o predicativo ao sujeito, e o verbo principal tem que concordar com o sujeito, o que não está ocorrendo já que o sujeito recursos esta no plural e utilizar no singular, também verifica –se quesejam está indicando tempo passado e utilize tempo presente.


7) Em que a opinião Caio Tulio Costa difere das outras?
Difere no sentido de que, diferente das outras opiniões que defendem o uso conservador da escrita, e condenam o estilo atual da escrita usada pela imprensa, Costa afirma que a imprensa não deve se embasar e ser totalmente constituída de gramática conservadora, porem tambémnão deve desestruturar a língua. Enfatiza ele que quanto mais a escrita estiver relacionada com a fala, mais facilidade se encontrará no entendimento adquirido pela leitura.


8) Samir Curi Meserani e Ruy Castro, referem-se aos mesmo problemas levantados antes?
Eles citam mais um. Afirmam que, principalmente nos segundos cadernos o proselitismo fica muito evidente, fazendo com que o leitor...
tracking img