Cap. 3 o monge e o executivo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1169 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 8 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Disciplina Organização e Processos Gerenciais
Fundamentos do Comportamento Individual e Cultura Organizacional



Parte I – O Monge e o Executivo


O empreendedor deve construir um plano de negócio, onde organiza as informações sobre a empresa que deseja montar. O planejamento proporciona uma visão mais clara e consistente sobre o desenvolvimento da empresa em metas alcançáveis. No planode negócio ficam registrados o conceito do negócio, os riscos, os concorrentes, o perfil da clientela, as estratégias de marketing e o plano financeiro que viabilizará a nova empresa. É importante ressaltar que o plano de negócio não é um documento fechado, mas um projeto que se deve o manter sempre atualizado de acordo com o andamento dos negócios.
Para a elaboração de um plano de negócios, épossível considerar algumas discussões presentes no capítulo três do livro “O monge e o executivo”, onde os temas voltam-se para a percepção primeira que temos dos fatos e das coisas, ressaltando que as coisas nem sempre são como parecem ser e o cuidado que devemos ter antes de fazer julgamentos rápidos. Assim, a aplicação que se tem deste capítulo na elaboração do plano de negócio é que é precisoter cuidado para que não se tenha uma visão simplista das reais condições do mercado, mas que primeiramente se estude a viabilidade do negócio, para saber o melhor momento para começá-lo ou ampliá-lo.
Muitas das vezes, o empreendedor se deixa levar pela aparente “alta” do mercado, ou disponibiliza e anuncia seus produtos para um público errado, erros muito comuns, cometidos quando se tem umavisão aparente do negócio. Por isto, é preciso ir além, é preciso fazer a projeção dos custos, da receita e do capital de giro, do montante inicial para o investimento e em quanto tempo o valor será recuperado.
Do capítulo Três ainda é possível extrair o princípio de liderança destacado na pessoa de Jesus Cristo – considerado o maior líder de todos os tempos, por sua capacidade de serviço, pois serlíder é servir e, com isso, influenciar pessoas. As empresas devem ter como missão o “servir bem” ao seu público, com sacrifício, amor e vontade.
As ações estabelecidas no plano de negócio devem influenciar o público alvo de maneira que ele tenha sua vontade atendida. Quando a empresa se compromete com sua missão, realiza o serviço com sacrifício e esta influência é conquistada pela qualidade noserviço prestado. Com a máxima “você colhe o que planta”, o autor enfatiza que serviço e sacrifício são ações para realizar as intenções e que se o amor é fundamentado na vontade, a liderança começa com a vontade, sendo que a liderança de uma empresa no mercado se dá pela identificação e satisfação das necessidades do cliente.



Valores instrumentais de Simeão - colocar nosso próximo emprimeiro lugar e estar atento às suas necessidades, ser paciente, autêntico, respeitoso, honesto, perdoador, fiel, dar às pessoas consideração e reconhecimento, mantendo nossa palavra, sendo bons ouvintes, não falando de outras pessoas pelas costas, usando palavras cortez.

Valores Terminais em Simeão – Viver em ambiente saudável para que o crescimento pessoal aconteça.

Valores instrumentais dogrupo do projeto integrador –
Capacidade;
Coragem;
Honestidade;
Imaginação;
Visão ampla;
Auto controle;
Reconhecimento social;
Responsabilidade;
Força;
Ambição;
Coragem;
Obediência.

Valores Terminais do grupo do projeto integrador –
Igualdade;
Segurança familiar;
Respeito com si próprio;

Felicidade;

Amizade verdadeira;

Um sentindo de realização;

Honestidade;Liberdade;

Uma vida confortável;

Prazer;

Uma vida emocionante.


A única regra que Len Hoffman estabeleceu ao grupo é a de que ele deveria falar sempre que tivesse vontade.
Essa regra considera que quando sentimos a sensação de que temos uma contribuição a dar, não devemos negar nem bloquear essa...
tracking img