Cancer

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 13 (3249 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 30 de março de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
ONCOLOGIA

CÂNCER
Os cânceres, até recentemente definidos
em função da célula tumoral propriamente dita,
hoje são encarados como doenças
mais complexas, que envolvem diferentes
tipos de células presentes no mesmo
microambiente: células de defesa,
de vasos sangüíneos e de suporte dos tecidos.
Essa nova perspectiva permitiu
o surgimento de outros alvos para as terapias
contra essesmales. À medida que as interações
entre essas diferentes células são mais bem
entendidas, é possível desenvolver novas formas
de tratamento. Além disso, drogas de uso
já consagrado contra outras doenças começam
a ganhar novas indicações, atuando como
tratamento complementar no câncer.
Andréia Hanada Otake,
Roger Chammas
Laboratório de Oncologia Experimental,
Faculdade de Medicina,Universidade de São Paulo
e Roberto Zatz
Faculdade de Medicina,
Universidade de São Paulo

28 • CIÊNCIA HOJE • vol. 38 • nº 223

ONCOLOGIA

Novos alvos
para tratamento
O que teria acontecido se os alquimistas tivessem descoberto o elixir
da vida eterna, uma poção mágica que tornasse
imortal quem a bebesse, ou ao menos prolongasse
a vida bem além dos limites atuais? Não é difícil
imaginaro lado positivo de ter uma vida longa,
quase ilimitada. O tempo, porém, continuaria passando, e isso certamente teria conseqüências no
organismo, já que certas doenças – e muitos de nós
esquecemos esse fato – acompanham, de maneira
quase inevitável, o envelhecimento. Os cânceres,
também conhecidos como tumores malignos (figura 1), são assim.
Portanto, se vivêssemos 120 ou 130 anos com osmesmos hábitos que temos hoje, invariavelmente

Figura 1. Comparação entre um tumor invasivo e seu tecido de
origem, ilustrando a aplicação do uso de marcadores que permitem distinguir as células tumorais das normais. À esquerda
da imagem, observada em microscópio, está o tecido normal de
revestimento do intestino grosso – as células normais (coradas
em roxo e mostrando um padrão dealinhamento) formam o revestimento dessa parte do intestino. À direita, as células (coradas em marrom) apresentam um arranjo caótico, desordenado,
que invade o tubo digestivo: trata-se de um câncer. A coloração
em marrom é obtida pela presença de um marcador desse tumor e permite ao médico patologista, responsável pelo diagnóstico em nível microscópico, identificar a lesão e, às vezes, predizer seucomportamento

teríamos algum tipo de câncer. Pelo menos um,
entre as centenas de tipos da doença conhecidos
na atualidade. A boa notícia é que, com o desenvolvimento da pesquisa na área biomédica, será
possível, no futuro, controlar progressivamente a
letalidade da doença. Assim, ela deixaria de causar tantas mortes, como acontece atualmente. O
homem do futuro, ao atingir uma idadecentenária (ou maior), ainda poderia viver bem, mesmo
tendo um câncer, já que este seria controlado clinicamente.

Células tumorais,
genes e marcadores
Os cânceres são doenças do material genético (o
genoma) de nossas células, e decorrem do acúmulo
progressivo de mutações, ou seja, alterações no código genético. As mutações fazem com que células
que antes executavam um programa bem definido,associado às suas funções em seu tecido de origem,
cresçam de maneira descontrolada (figura 2). Esse
crescimento alterado é conseqüência não só da
duplicação celular desordenada, mas também da
progressiva resistência à morte celular (como se as
células tivessem bebido o ‘elixir da vida eterna’).
Além disso, as células cancerosas ultrapassam
os limites dos tecidos de origem, adquirem acapacidade de modificar o ambiente que as cerca,
desrespeitam fronteiras e migram pelos diversos
tecidos do corpo, podendo estabelecer novos tumores – as metástases – ao se fixarem em locais
distantes do ponto de origem. A capacidade de
invadir os tecidos vizinhos e de formar as metástases é responsável, em última análise, pela morte de dois a cada três pacientes com o diagnóstico
de câncer....
tracking img