Camoes

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 12 (2929 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 18 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
ESCOLA SECUNDÁRIA D.MANUEL - I - BEJA




CAMÕES LÍRICO - breve síntese


A Poesia Trovadoresca, após um longo período de auge, começou a decair após a morte do rei D. Dinis. Este declínio poético prolongou- se por cerca de um século durante o qual se desenvolveu a Didáctica e a Historiografia.
As razões que levaram a esta decadência foram:

- outrosinteresses económicos provocados pela expansão que levaram à criação da burguesia endinheirada /espírito mercantil que não favorece o trabalho de imaginação.

- os reis deixaram de ser mecenas (protectores das artes e das letras ) e eles próprios não herdaram a inclinação para trovar.

- o problema da sucessão em 1383 provocou a fuga de nobres poetas para Castela erefugiaram- se na corte onde lhes era dada ajuda.





Como voltou a ressurgir a poesia em Portugal?

A partir dos meados do séc. XV nas cortes de D. Afonso I, D. João II e D. Manuel I renasceu o culto da arte poética. Porquê?
- Restabelecida a paz com Castela, procedeu- se a uma política de intercâmbio cultural com esse país, fomenta- se o intercâmbio luso- castelhano.

-Surge, então, uma poesia de cariz palaciano que animava os serões do Paço. Esta poesia teve então um papel lúdico e de entretenimento.

- A corte foi considerada o centro de cultura e local de "cousas de folgar" onde os fidalgos se concentravam para se entregarem aos prazeres da dança, da música e da poesia.

- O grande homem que promoveu esses serões foi D. Afonso V e foi no seutempo que ela mais se intensificou. O Paço começou a ser a Biblioteca Nacional do reino - é uma escola de espírito clássico.

- D. João II e a sua corte teve também grande esplendor, pois o rei prezava a poesia e sentindo
que a sociabilidade dos serões era a melhor maneira de ter os fidalgos na mão, protegeu- os largamente, protegendo, assim o absolutismo.






Como foi recolhidatoda essa poesia de tão variados autores?


Toda a obra poética dos reinados referidos foi organizada por Garcia de Resende, resultando deste trabalho o Cancioneiro Geral.
Garcia de Resende nasceu em Évora por volta de 1470 e foi secretário particular de D. João II, tendo gozado da confiança do monarca. Conheceu grandes sucessos históricos, viveu plenamente a vida da corte e eraconhecedor de toda a renascença espiritual que se avizinhava. Escreveu:
"Trovas à morte de Inês de Castro" e foi o coleccionador do Cancioneiro.
Neste cancioneiro, publicado em 1516, desfilam poesias de cerca de 286 autores e constitui um precioso documento sobre a sociedade portuguesa do séc XV.
Este cancioneiro não tem origem nos primitivos cancioneiros trovadorescos, mas é de tradiçãocastelhana.
Há, então no Cancioneiro Geral dois tipos de influência:

- a influência Castelhana pelo grande desenvolvimento da sua poesia visto o prestígio que aí era dado aos poetas. Tal influência reflecte- se na inclusão de composições em língua castelhana e no abandono da versificação típica trovadoresca e introdução da Redondilha em composições com Mote e Glosa.- a influência Italiana - esta influência manifesta- se, sobretudo através de reflexos de Dante e Petrarca, constituindo um prenúncio do Classicismo que se aproximava.




As composições poéticas mais características do Cancioneiro Geral são :
o Vilancete que se compõe de um mote de 2 ou 3 versos e uma glosa de 7 versos, sendo o último verso da Glosa a repetiçãocom ou sem variantes do último verso do mote; a Cantiga, de tom mais sério e convencional, consta de um mote de 4 ou 5 versos e uma glosa de 8 a 10 versos; a Esparsa é uma composição de uma só estrofe que varia entre 8, 9 ou 10 versos.
Duas influências italianas predominam nas composições do Cancioneiro:



- Dante...
tracking img