Caixa

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 40 (9806 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 3 de abril de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
UnB/CESPE – CAIXA/NM2



Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas
marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para a correção das suas respostas.
Nas questões que avaliam conhecimentos de informática, a menos que seja explicitamente informado o contrário, considere que: todos
os programasmencionados estão em configuração-padrão, em português; o mouse está configurado para pessoas destras; expressões
como clicar, clique simples e clique duplo referem-se a cliques com o botão esquerdo do mouse; teclar corresponde à operação de
pressionar uma tecla e, rapidamente, liberá-la, acionando-a apenas uma vez. Considere também que não há restrições de proteção, de
funcionamento e de uso emrelação aos programas, arquivos, diretórios, recursos e equipamentos mencionados.

C

%10*'%+/'0615 $5+%15
Texto para as questões de 1 a 8
1

4

7

10

13

16

19

22

25

28

31

34

37

40

43

46

37'56“1 

Especialistas concordam que é papel do
ensino fundamental e médio — e não apenas da
universidade — cooperar de alguma forma com o processo deformação dos futuros profissionais. Isso não implica ensinar
jovens estudantes a mexer com planilhas de cálculos ou a
empreender um novo negócio. Requer, sim, dar-lhes recursos
para lidar com a realidade e, por exemplo, com a competição
que um dia virá. Então, a dúvida que permanece é: nossas
escolas de fato cumprem essa tarefa?
Carlos Alberto Ramos, professor do Departamento de
Economia daUniversidade de Brasília, aponta falhas nessa
missão. Ele identifica um abismo na transição entre o sistema
escolar e o mercado de trabalho. “Nosso modelo educacional
é muito segmentado, e os conhecimentos de línguas e
matemática, por exemplo, são muito diferentes dos valores
compreendidos durante a vida profissional”, defende.
O despreparo dos jovens, portanto, é patente. “Desde
cedo, épreciso ensinar as crianças a pensar e a se adequar a
novas realidades”, diz Ramos. “Elas contam, inclusive, com
uma vantagem para isso: são mais flexíveis a mudanças e estão
sempre abertas a novas tecnologias”. Infelizmente, conclui o
especialista, não é isso o que acontece nas escolas.
O mais curioso é que, a despeito de qualquer
discussão sobre o dever das escolas, ajudar no
desenvolvimentodo aluno com vistas à sua colocação no
mercado de trabalho é um fundamento no país, estabelecido
pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, conjunto
de normas que dá o norte ao sistema educacional brasileiro.
Portanto, tal tarefa cabe a todos os níveis do ensino básico, dos
cinco aos 17 anos.
Para Claudio de Moura Castro, especialista em
educação, as escolas de ensino infantil efundamental oferecem
aos estudantes, geralmente, a proposta correta para a
capacitação para a vida profissional. Isso significa: ensinar a
ler, escrever e falar adequadamente já durante a alfabetização
infantil. O problema, segundo o especialista, aparece no ensino
médio. “Nesse nível, as escolas são desmotivadoras,
oferecendo conteúdos específicos para que os alunos estejam
preparados para ovestibular”, afirma. “Mas, na verdade, não
preparam o estudante para nada”.
Moura Castro aponta três habilidades fundamentais
aos profissionais de hoje e do futuro. Elas são decorrentes da
boa leitura, da boa escrita e da capacidade de comunicar-se
bem. “Todos os profissionais precisam saber resolver
problemas, falar em público e trabalhar em equipe”, sentencia.
“É nesse momento deaprendizado que se dissolve a fronteira
entre o que é acadêmico — ensinado na escola — e o que é
profissional e prático para o mercado de trabalho.”
Marina Dias. Bom profissional se faz na escola, 4/9/2009.
Internet:

Cargo: Técnico Bancário Novo



(com

adaptações).

Seriam mantidos o sentido original do texto e sua correção
gramatical caso fosse
A substituída a expressão “com o”...
tracking img